Torneio da Morte

Sem calendário até o Campeonato Paranaense de 2015, Operário desfaz a equipe; Paulo Foiani relata que não existe nenhuma negociação para permanecer no clube

Sem calendário até o fim do ano o Operário deve liberar o restante de seus jogadores nos próximos dias. A última partida aconteceu no domingo, válida pelo Campeonato Paranese. Existe a possibilidade dos atletas que têm contrato mais longo com o clube serem emprestados para outras equipes e voltarem ao Fantasma em 2015. Em relação ao técnico Paulo Foiani, em entrevista coletiva após a partida do último domingo, ele declarou que não negociou nada com a diretoria do clube.

“Não tive nenhuma conversa com a diretoria, meu contrato aqui era até o final do ‘torneio da morte’. Lógico que meu trabalho transpareceu, foi bem visto, com a minha ajuda e dos meus atletas a gente conseguiu a permanência do Operário na primeira divisão. No futuro eu acredito que a diretoria possa ter uma conversa entre eles, vou aguardar e ver o que a gente tem para o futuro”, relatou o Foiani.

Assim como já falava o ex-técnico Gilberto Pereira, Foiani destacou que é preciso planejamento para o clube na hora de montar a equipe e citou as equipes do interior que chegaram a final do Paranaense como exemplo. “Vamos analisar pelo Londrina, eles estão com uma base de dez atletas há três anos, e é o terceiro ano consecutivo que eles têm série D, então, o que acontece, os jogadores que se destacam eles vão e vendem e repõem as peças pontuais. Você tira pelo Maringá que chegou para final, é uma equipe que terminou a segunda divisão, basicamente a mesma, trouxe peças, ai você diminui custos”, analisou o técnico.

Em relação à atitude dos jogadores na primeira e na segunda fase do Paranaense, Foiani destacou que a organização dos atletas em campo era o ponto principal. “Precisava organizar a equipe, porque assim, era questionado muito a preparação física, que o time não tinha força para poder correr os 90 minutos e em todos os jogos o Marcelo (goleiro) era o homem do jogo. A partir do momento que você sai em um momento certo no contra-ataque, que faz o simples, você vai estar com mais força, com mais gás para definir a jogada”, explicou.

Na partida o Operário se despediu da torcida com vitória, venceu o Toledo pelo placar de 2 a 0, com gols marcados por Sidnei e Sandro, com a derrota Toledo foi rebaixado. Na outra partida do descenso entre Cianorte e Arapongas o placar terminou em 2 a 0. Como o Cianorte já estava rebaixado a vitória garantiu Arapongas na primeira etapa. Durante o descenso o Operário conquistou cinco vitórias em seis, mais pontos do que na primeira fase do Campeonato. Na primeira fase do campeonato, em 11 rodadas, o Fantasma conquistou 13 pontos.

Protesto
As pretensões do Operário no começo do Campeonato Paranaense eram a conquista da vaga para a série D, mas pelo terceiro ano consecutivo, o Operário ficou sem calendário. Fato que gerou protestos da torcida. A organizada, que em todos os jogos cantava para apoiar os jogadores, ficou em silêncio até o fim do segundo tempo, quando passou a cobrar a diretoria do clube, cantando até o final da partida: “Diretoria, presta atenção, em 2015 série D é obrigação”.

Por Rafaela Serrato (Diário dos Campos – 15/04/2014).

O atraso no início de jogo entre Operário e Toledo mostrou a tensão que envolvia a partida. Com garantia na elite do futebol paranaense 2015, o Fantasma entrou em campo apenas para cumprir tabela. Enquanto, o Toledo entrou com a obrigação de vencer o alvinegro pontagrossense para não ser rebaixado. E aproximadamente, 50 torcedores viajaram para Ponta Grossa para apoiar a equipe.

No primeiro tempo, as duas equipes erravam muitos passes e não conseguiam criar grandes oportunidades de gols. No final do primeiro, Pedrinho foi expulso. Na volta do intervalo, o técnico Richard Malka fez algumas alterações, mas mesmo com um jogador a mais não conseguia passar pela zaga alvinegra. E o Operário aproveitou as falhas defensivas do time de Toledo para sair com a vitória. Aos 15 minutos, Sidnei recebeu livre , driblou o goleiro Giovani e abriu o placar.

Os jogadores do Toledo que já estavam nervosos com o resultado de Arapongas e Cianorte, ficaram ainda mais com o gol de Sidnei para o Operário. E assim, ficou mais fácil para o Fantasma ampliar o placar. Aos 26 minutos, Sandro recebeu e tocou na saída do goleiro, decretando a vitória do alvinegro pontagrossense e o rebaixamento do Toledo. Após o gol, o Operário passou a controlar a partida, já o Toledo não conseguia chegar ao gol de Vinícius e o resultado terminou em 2 a 0 para o Fantasma.

Primeiro tempo de muitos passes errados e poucas chances de gols
Quando a bola rolou, o jogo começou equilibrado. As duas equipes articulavam jogadas, mas não conseguiam acertar o último passe. O Fantasma ainda tentava assustar o adversário com jogadas pelas laterais, principalmente pelo lado esquerdo com Marquinhos. Já o Toledo buscava nas bolas paradas, cobradas por Robson Goiano, abrir o placar.

A partir dos 15 minutos do primeiro tempo, o Fantasma começou a pressionar o Toledo com jogadas pela esquerda com Marquinhos, que em duas oportunidades chegou na área do adversário e conseguiu ganhar escanteio.

A torcida do Fantasma reclamava do número de faltas marcadas em favor a equipe visitante. O primeiro tempo ficou marcado pelo grande número de erros de passe e de poucas oportunidades de gol. O nervossísmo, que já era grande na equipe comandada por Richard Malka, aumentou quando anunciaram, no Germano, o gol do Arapongas sobre o Cianorte.

Após o gol do Arapongas, os jogadores de ambas equipes ficaram nervosos. E aos 43 minutos, Sandro sofreu falta dura, após confusão, o árbitro expulsou Pedrinho por uma suposta simulação de agressão feita pelo adversário no jogador do Operário.

Na volta do intervalo, Operário volta melhor e vence o Toledo
Com a vantagem numérica, o técnico Richard Malka fez duas modificações na equipe de Toledo, no intervalo. Ele promoveu os meias Murici e Diego Luiz.

A partida continuava equilibrada, com ambos times criando jogadas, mas que não assustavam os goleiros. Até que aos 15 minutos da segunda etapa, Sidnei recebe livre, dribla o goleiro Giovani e abre o placar para o Fantasma. A partir do gol, o Fantasma começou a controlar o jogo. Os jogadores do Toledo nervosos, não conseguiam demonstrar reação.

Aos 20 minutos, Sandro invadiu a área chutou e o goleiro Giovani conseguiu salvar o que seria o segundo gol do Operário. Logo em seguida, o Toledo balançou as redes, mas o assistente marcou impedimento no lance. Mas aos 26 minutos, Sandro recebeu livre, tocou na saída do goleiro e ampliou para o alvinegro pontagrossense.

O Toledo ainda tentava diminuir, mas os jogadores não tinham mais forças para buscar o resultado. O atacante Cairo ainda teve a última chance de cabeça, mas Vinícius fez uma defesa milagrosa e o resultado permaneceu em 2 a 0 para o Operário até o apito do árbitro.

FICHA TÉCNICA
OPERÁRIO X TOLEDO

Operário: Vinícius; Alex (Matheus), Basso, Marquinhos Sá e Marquinhos; Cleber (Bruno), Dime, Sidnei, Pedrinho e Sandro (Baiano); Jorge Preá.
Técnico: Paulo Foiani.

Toledo: Giovani; Maicon, Diogo Batista, Duda e Samuel; Marcão (Murici), André Luis (Diego Luis), Kasado, Robson Goiano e Tcharlles; Cairo.
Técnico: Richard Malka.

Local: Estádio Germano Kruger, em Ponta Grossa
Data/Horário: 13/04/2014, às 16h.
Árbitro: Felipe Gomes da Silva
Assistentes: João Fábio Machado Brischiliari e Rafael Dias de Melo

Renda/Público: R$ 10.110,00/ 1124 total/ 799 pagantes
Cartão Amarelo: Cleber, Basso, Sidnei, Baiano (Operário) e Maicon (Toledo).
Cartão Vermelho: Pedrinho (Operário)
Gols: Sidnei, aos 15 minutos do 2º tempo e Sandro, aos 26 minutos do 2º tempopara o Operário.

Por Julian Lima (Redação em Campo – 13/04/2014).

Para o Operário esta partida ‘não vale nada’, já que está com a permanência garantida, mas o técnico quer fechar o campeonato com vitória

O Operário tem a última chance de se apresentar para a torcida alvinegra hoje. A partida contra o Toledo está marcada para as 16 horas, no Germano Krüger. O jogo ‘não vale mais nada’ para o Operário, já que a equipe garantiu a permanência na elite do campeonato, na partida contra o Arapongas. Já o Toledo precisa da vitória para se garantir na elite do Paranaense.

O técnico Paulo Foiani quer conquistar a quinta vitória em seis jogos no comando do Fantasma. “Sempre jogar para vencer.independente se for ajudar B ou C, eu estou preocupado com a minha equipe e quero fazer uma bela apresentação diante do meu torcedor, para fechar esse ‘torneio da morte’ com chave de ouro”, diz o técnico.

Apesar das dispensas e das ausências confirmadas na última partida, de Lucas Batatinha e Correia, que estão suspensos, pois na última partida, contra o Arapongas levaram o terceiro amarelo e das liberações de Marcelo, Telê, Icaro, Richardson, Maurin e Vitor Cardoso. “Praticamente estão todos à disposição, então vamos com força máxima para esse último jogo”, ressalta o técnico.

Entre os pontos que fez com que a equipe mudasse dentro de campo, Foiani apontou que a confiança passada aos jogadores foi essencial. “Questão de organizar a equipe e posicionamento e também deles acreditarem na qualidade que eles tinham. Todos vieram para cá por uma indicação e por ter qualidade. Eu cheguei, vi onde estava o estava errado e procurei orientá-los, tentei tirar o máximo deles”, relata Foiani.

Durante o ‘torneio da morte’ o Fantasma de Vila Oficinas teve aproveitamento de 80%. “Os 12 pontos que fizemos em cinco jogos, foi feito no primeiro turno, com 11 jogos a equipe conseguiu 13 pontos. Está todo mundo de parabéns feliz e tranquilo, principalmente por ter conseguido a permanência na primeira divisão”, expôs.

Foiani relata que termina a competição com as metas cumpridas. “Meu objetivo eu conquistei junto com eles, eu vi que tinha sido montado um grupo forte, mas as coisas não tinham encaixado, eu consegui dar um padrão de jogo e as coisas dentro de campo aconteceram. Eu saio feliz, independente do resultado eu saio de cabeça erguida e com sentimento de dever cumprido, em manter a equipe na divisão de elite do Paranaense”, explica.

Precisando da vitória para se garantir na primeira divisão do Campeonato Paranaense, durante a semana o técnico do Toledo Richard Malka treinou o fundamento da bola parada. Ray levou o terceiro amarelo e está fora, para o lugar dele, Malka tem como opções: Tcharlles, Marcel e Eric. Diego Luiz volta de suspensão e pode estar entre os titulares da equipe do Toledo.

Por Rafaela Serrato (Diário dos Campos – 13/04/2014).