Globo Esporte

Tiago Lima (contra), Lucas Batatinha, Quirino, Jean Carlo e Dione garantem vitória do Fantasma, que coloca a mão na taça. Segundo jogo será no próximo domingo, em Ponta Grossa

Pintou o campeão da Série D! O Operário-PR goleou o Globo FC por 5 a 0 neste domingo, no Estádio Barretão, em Ceará-Mirim, e ficou muito perto de confirmar o primeiro título nacional da história do clube. O Fantasma aproveitou o dia irreconhecível do time potiguar e construiu uma larga vantagem para o segundo jogo, marcado para o próximo domingo, às 19h.

VEJA COMO FOI O TEMPO REAL!
Para haver uma reviravolta, o Globo FC precisa devolver o mesmo placar para forçar os pênaltis, ou vencer por seis gols, missão bem complicada. O Operário-PR só vai ter que administrar o resultado e ainda contará com o apoio da torcida, que deve lotar Estádio Germano Krüger, em Ponta Grossa.

O primeiro gol do Operário-PR veio meio sem querer, aos 22 minutos. Peixoto cobrou a falta para dentro da área e contou com o desvio de Tiago Lima, contra. O Globo chegou a assustar em cabeçada de João Victor, mas, no embalo, o Fantasma ampliou pouco depois. Em pênalti duvidoso marcado por Marcelo de Lima Henrique, Lucas Batatinha bateu forte para estufar as redes. Os donos da casa deram trabalho ao goleiro Simão em cobrança de falta de Renatinho Carioca e chute de Reinaldo, na sequência. Gláucio também teve a chance no rebote, mas mandou por cima.

O Fantasma manteve o mesmo ímpeto e, aproveitando o vacilo do Globo, fez mais um no início da segunda etapa. Batatinha subiu bem pela esquerda e serviu Quirino, que só teve o trabalho de empurrar a bola para o gol. Renatinho, de falta, ainda tentou diminuir, mas Simão espalmou bem. Mais eficiente, o time paranaense marcou o quarto com Jean Carlo, com mais uma assistência de Batatinha. Dione fechou a goleada aos 38 minutos, após bom passe de Peixoto.

Por GloboEsporte Natal (Globo Esporte – 03/09/2017)

Equipes se enfrentaram em jogo de ida do mata-mata do acesso da Série D 2017

O Fantasma saiu na frente na briga por uma vaga na Série C 2018. Jogando pelas quartas de final da Série D, na tarde deste domingo, no Estádio Castelão, em São Luís (MA), o Operário-PR venceu o MAC, por 3 a 1, e levou uma boa vantagem para o duelo da volta em seus domínios.

O Maranhão chegou a sair na frente com Yuri, aos oito minutos do primeiro tempo. Ainda na primeira etapa, os paranaenses chegaram a virada com gols de Peixoto, aos 38, e Quirino, aos 46. No segundo tempo, os visitantes ainda ampliaram aos 18, com Índio.

Um total de 2415 pessoas estiveram no Castelão. Pagaram ingresso 2098 torcedores que levaram uma renda de R$ 44.280,00.

Com a vitória, o Operário-PR agora pode perder por um gol de diferença no duelo de volta. A vantagem do Fantasma ainda se estende ao placar de vitória do MAC de 2 a 0, já que marcou um gol na casa do adversário. Um novo 3 a 1, desta vez favorável aos atleticanos, levaria a decisão do acesso para os pênaltis. Para avançar, o Maranhão tem que vencer por três gols de diferença ou, por dois, desde que faça quatro ou mais gols na partida.

A partida de volta entre Maranhão e Operário-PR será realizada na segunda-feira da semana que vem (14). O confronto está agendado para o Germano Krüger, em Ponta Grosa (PR), às 21h.

O jogo
Os primeiros minutos de jogo foram de muita cautela. Mesmo em casa, o MAC iniciou o confronto marcando em linhas recuadas. O Operário-PR buscava se impor e tinha a posse de bola, mas tinha receios dos contra-ataques e as descidas resguardadas. As equipes chegavam ao último terço dos rivais, mas não eram efetivas na definição das jogadas.

O Maranhão era só defesa e parecia esperar o momento certo. Tanto, que logo aos oito minutos da etapa inicial, Yuri aproveitou cobrança de escanteio, subiu mais alto que todo mundo e abriu o placar, Macão 1 a 0.

O gol deu ainda mais consolidação a estratégia do MAC, que seguiu apostando nos contra-ataques e recuou ainda mais. O Operário-PR era quem ia propondo o jogo e sempre chega pelas extremidades.

Mesmo jogando fora, o domínio territorial era do Fantasma, que aproveitava o espaço deixado pelo MAC. A equipe paranaense pecava nas escolhas e quando construía boas chances esbarrava no goleiro Rodrigo Ramos.

Com o MAC abdicando de jogar em sua própria casa, o Operário-PR, mesmo errando muito ofensivamente, foi se aproximando da efetividade. Os paranaenses foram entendendo mais o jogo, encontravam muito espaço e o gol era questão de tempo.

Jogando com a tranquilidade, o Fantasma chegou logo ao empate. O gol veio aos 38 minutos do primeiro tempo na mesma moeda do MAC: escanteio. Peixoto subiu no meio da zaga maqueana e deixou tudo igual, 1 a 1.

O Maranhão seguia dando muito espaço e Operário-PR era dono do jogo. Uma prova disso foi que antes do primeiro tempo acabar a equipe ainda conseguiu chegar a virada. Aos 46, Índio deixou Quirino na cara do gol, que só teve o trabalho de empurrar, 2 a 1 e fim do primeiro tempo.

Veio o segundo tempo e o técnico Ruy Scarpino apostou em mudanças de peças. Trouxe para segunda etapa Michel e Adauto que deram mais ofensividade ao Maranhão. O time atleticano passou a criar mais oportunidades e deixou o jogo mais equilibrado.

Mas do outro lado tinha um time que durante todo o jogo buscou a vitória e sempre foi superior do no jogo. Com o MAC saindo mais para tentar igualar o placar, o Operário-PR teve ainda mais espaços, logo aos 18 minutos, Índio, fez de cabeça e aumentou a vantagem para o Fantasma.

Daí então, o MAC se lançou ao ataque, mas de forma desorganizada. O time atleticano tinha muita dificuldade de criação e não conseguia êxito sempre que chegava no campo do adversário. Enquanto isso, o Operário-PR ia trabalhando a bola e se postava taticamente ao passo em que ia cozinhando o jogo.

O tempo foi passando o Maranhão ia cansando e o Operário-PR cordenava o jogo a sua vontade. Sem forças, o MAC saiu de casa derrotado e o Fantasma deu um grande passo rumo à Série C. Placar final, 3 a 1 para os paranaenses.

Por GloboEsporte MA (GloboEsporte.com – 06/08/2017)

Fantasma joga com inteligência, marca com Juba (2) e Ruy no segundo tempo e conquista título inédito do estadual. Coxa sofre com ansiedade e deficiências técnicas

O dia 3 de maio ficará marcado para sempre na história do Operário-PR. Após 103 anos de espera, o time de Ponta Grossa comemorou seu primeiro título como campeão Paranaense em uma atuação impecável na final. Após conquistar boa vantagem no jogo de ida com o placar de 2 a 0, o Fantasma superou a pressão de atuar no Couto Pereira, venceu o Coritiba por 3 a 0 neste domingo, e levantou o trofeu. O atacante Juba (duas vezes) e o meia Ruy deram o título estadual ao time de Ponta Grossa, com gols no segundo tempo.

Mesmo com o apoio massivo com mais de 22 mil torcedores no Couto Pereira, o Coritiba foi tomado pela ansiedade e não conseguiu superar a forte marcação do Fantasma. Nos primeiros 45 minutos, a única chance clara de gol saiu dos pés alvinegros, que impuseram um jogo inteligente em função da vantagem conquista no primeiro jogo. O nervosismo alviverde seguiu presente no segundo tempo e mesmo com a entrada dos atacantes Keirisson e Wallyson, quem balançou as redes foi o Fantasma, com o atacante Juba aos 12 minutos. O gol incendiou ainda mais a equipe de Ponta Grossa, que era superior tática e tecnicamente ampliando o placar com Ruy e Juba, mais uma vez.

O Coritiba volta a campo na próxima quarta-feira diante do Fortaleza, fora de casa, pelo jogo de ida da segunda fase da Copa do Brasil. Já o Operário-PR ainda não tem data definida para estrear na Série D do Brasileiro.

Ansiedade alviverde e marcação do Operário-PR
O jogo começou em ritmo intenso, com o Coritiba priorizando a posse de bola e recebendo como resposta um Operário-PR incisivo e jogando de igual para igual. Prova disso foi que a primeira chance real de gol foi alvinegra. Aos 11 minutos, o setor defensivo do Coxa falhou e Douglas Mendes cabeceou livre de marcação por cima da meta. Nervoso, o time do técnico Marquinhos Santos não tinha obediência tática e falhava na criação das jogadas. Com a vantagem e inteligente, o Fantasma exercia forte marcação no Coritiba, anulando as jogadas ofensivas de Rafhael Lucas e Negueba. Disposto a abrir o placar ainda no primeiro tempo, o Coxa deixou um pouco a técnica de lado, e abusou da vontade. O resultado foi apenas uma defesa do goleiro Jonathan no primeiro tempo, em cabeceio fraco de Wellington Paulista.

Superioridade do Fantasma e título inédito
A necessidade de vencer fez o Coxa voltar mais ofensivo para o segundo tempo, com a entrada dos atacantes Keirrison e Wallyson nas vagas do volante João Paulo e do zagueiro Welinton. A dupla que havia acabado de entrar quase abriu o placar aos oito minutos, mas o camisa 1 alvinegro praticou grande defesa. Exposto defensivamente, o Coxa foi surpreendido no contra-ataque do Fantasma. Aos 12 minutos, o atacante Juba aproveitou belo cruzamento de Julinho e abriu o placar no Couto Pereira. Atrás no placar, o nervosismo alviverde só aumentou e com muitos erros de passe e posicionamento, o Operário-PR aumentou a vantagem. Aos 30 minutos, Douglas lança com perfeição para o meia Ruy apenas tirar o goleiro Vaná da jogada e mandar a bola para o fundo das redes. Enquanto a torcida do Fantasma ainda comemorava o segundo gol, o atacante Juba marcou o gol do título aos 32. Chicão chutou na trave e no rebote, o atacante marcou mais uma vez. Para o Coxa, só restou e esperar o apito final e assistir a comemoração do primeiro título estadual do time de Ponta Grossa.

Por Ana Helena Goebel
Globo Esporte – 03/05/2015