O Operário Ferroviário, time de glórias e tradição, com 101 anos de existência (o aniversário será comemorado amanhã) mostrou a todos, principalmente ao seu torcedor, que em breve se consolidará como uma potência, não apenas ao futebol paranaense, mas para todo o Brasil. Isso é possível.

O campeonato deste ano mostrou que o Fantasma, apesar de alguns tropeços, apresentou planejamento, fez excelentes contratações, montou um time competitivo e colocou o nome de Ponta Grossa em destaque. O título do returno não veio. A vaga à Série D não aconteceu. Mas, indiscutivelmente, o torcedor, por tudo o que foi feito em 2013, vislumbra um futuro de muitas conquistas.

O jogo de domingo, quando o alvinegro desmoralizou o Atlético-PR, goleando-o por 4×1, evidencia a força do time e de sua torcida. E assim tem que ser sempre. O Operário não pode se curvar às grandes forças do Paraná, que na realidade não são tão expressivas assim. O Coritiba, Paraná Clube e o Atlético-PR têm uma estrutura melhor, mas não são competitivos.

Alguns projetos são importantes para o Operário nessa empreitada. Um deles é a construção de um Centro de Treinamentos (CT) para a formação de novos valores. Tem muito garoto saindo de Ponta Grossa para realizar testes em outras equipes. Fazem isso por falta de oportunidade. Campanha para atrair mais sócios e ações para cooptar outros patrocinadores também são importantes. Há grandes indústrias na cidade, e essas poderão fortalecer o Fantasma.

Também chegou a hora de o futebol do interior se mobilizar. É o momento de se iniciar uma campanha para tirar de Curitiba a Federação Paranaense de Futebol (FPF) e exigir de sua diretoria projetos efetivos para o fortalecimento do futebol paranaense. Os times precisam de calendário o ano inteiro. Apenas quatro meses de futebol é muito pouco.

No próximo domingo o Operário inicia a disputa do melhor time do interior, com o Londrina. Quem sabe, em 2014, as duas equipes disputam o título da competição.

Da Redacão (JMNews – 30/04/2013).

Uma resposta a JMNews – Editorial: As lições que ficam