Diante do lanterna e já rebaixado Nacional, Operário prega cautela para conquistar os três pontos neste domingo, às 16 horas, em Ponta Grossa

Maicon Veiga (13) é uma das esperanças de gol do Fantasma para vencer o Nacional em casa Foto: Marco Favero

Maicon Veiga (13) é uma das esperanças de gol do Fantasma para vencer o Nacional em casa
Foto: Marco Favero

Com a expectativa de ver o Estádio Germano Krüger com um bom público, o Operário Ferroviário recebe o Nacional de Rolândia neste domingo, às 16 horas, precisando seguir a rotina de vitórias das últimas rodadas para se manter na briga pelo título do 2° turno do Campeonato Paranaense. Além disso, o Fantasma de Vila Oficinas briga pela vaga na Série D do Campeonato Brasileiro pela classificação acumulada, onde o principal concorrente é o J. Malucelli – atualmente cinco pontos a frente do alvinegro.

E do outro lado, o adversário do time princesino na 9ª rodada do returno não tem mais aspirações no Estadual: o Nacional marcou apenas dois pontos em todo o campeonato, já está rebaixado à Divisão de Acesso de 2014 e perdeu todos os seus jogos como visitante até aqui. De quebra, ‘ostenta’ o pior ataque e a pior defesa da competição com larga vantagem sobre os adversário, e marcou apenas um gol longe do Erich Georg em nove partidas. Mesmo assim, o Operário quer cautela com o adversário de logo mais, e pede também o apoio da torcida alvinegra.

“Tem que ter cautela contra qualquer time. A mesma cautela que vamos ter contra o Nacional a gente teve contra o Coritiba. Temos que ter cautela, mas não ter medo da situação onde a gente está”, explica o técnico Paulo Turra, que concedeu entrevista coletiva na tarde de sexta-feira em Vila Oficinas. Apesar disso, Turra definiu como ‘neura’ um possível excesso de respeito sobre o adversário. “A gente tem um plano de um jogo, trabalhamos em cima dele durante a semana e temos que ir para cima do Nacional sem medo. Nós estamos em uma situação difícil para o nosso objetivo, mas que está ao nosso alcance”, destaca.

As palavras do comandante alvinegro fazem eco no elenco. O goleiro Carlão, que estreia como titular após a lesão muscular de Silvio, também deixou claro a precaução necessária para o time de Ponta Grossa. “Precisa ter cuidado, precisamos respeitar o Nacional porque lá tem profissionais como nós. A postura tem que ser a mesma com o primeiro colocado, que a gente enfrentou domingo passado, e também com o último”, ressalta o jovem formado nas categorias de base do Palmeiras.

Time
No último coletivo do time antes de enfrentar o Nacional, Paulo Turra esboçou o que deve ser o time titular do Operário sem surpresas. Com o retorno de Felipe Correia e Alex Cazumba nas laterais, Maicon Macedo e Batista voltam ao banco de reservas, enquanto Sandro volta a vestir a camisa 10 alvinegra no lugar de Sidnei. Carlão foi confirmado como substituto de Silvio – que só volta ao time em uma eventual final do campeonato ou decisão do interior. “Nossa equipe dentro de casa vem sendo bem ofensiva, e é uma formação que a gente já vinha jogando. Tem a presença do Sandro também, que dá um suporte para a gente no meio-campo e vai fazer com a bola fique sempre perto do gol adversário”, analisa o meia Rone Dias.

DE OLHO
Além da partida contra o Nacional, o Fantasma está de olho em outros dois jogos da rodada: em Curitiba, Atlético e J. Malucelli fazem confronto direto na parte de cima da tabela, enquanto os alvinegros também secam o Londrina, que joga em Paranavaí contra o ACP.

– Ficha Técnica –

OPERÁRIO FERROVIÁRIO: Carlão; Felipe Correia, Alex Moraes, Edimar e Alex Cazumba; Jacio, Patrick, Sandro e Rone Dias; Paulo Sérgio e Maicon Veiga – Técnico: Paulo Turra
NACIONAL: Vinícius; Rafinha (Baiano), Edimar, Fernando e Grafite; Doriva, Fernandinho, Vitor e Tiago Henrique; Gustavo e Tcharlles – Técnico: Dirceu de Mattos

Arbitragem: Leonardo Sigari Zanon
Assistentes: Marcos Rogério da Silva e Fábio Gazarini Silva
Estádio: Germano Krüger – Data: 14/04 – Horário: 16 horas

Por Sebastião Machado Neto (Diário dos Campos – 14/07/2013).

Os comentários estão encerrados.