Comunicado foi feito em entrevista coletiva na manhã de ontem; sobre o novo comandante, Paulo Turra já foi sondado e ‘nordestinos’ também podem ser opção para o Operário

Se sentindo 'triste', técnico disse que não conseguiu encontrar o padrão tático Foto: Rodrigo Covolan

Se sentindo ‘triste’, técnico disse que não conseguiu encontrar o padrão tático
Foto: Rodrigo Covolan

Desta vez é para valer. O técnico do Operário Ferroviário, Lio Evaristo, convocou a imprensa na manhã desta terça-feira para anunciar oficialmente seu desligamento do Fantasma de Vila Oficinas. A coletiva, que aconteceu no Estádio Germano Krüger, marcou o fim de um período que durou quase 13 meses no comando do alvinegro. “A decisão foi minha, foi do Lio Evaristo. Estou deixando o Operário para que o clube e o projeto tenham sucesso. Achei que era o momento de dar uma chacoalhada no grupo”, resumiu o técnico, em sua justificativa.

Lio Evaristo explicou que apesar do desejo da diretoria para sua permanência no clube, ele tomou a decisão após conversar com o filho na noite de segunda-feira. “Ele me perguntou porque eu estava triste, e aí eu percebi que não estava bem para dirigir o time”, destacou. Em seguida, ele comunicou o presidente da LA Sports, Luiz Alberto de Oliveira, e o presidente do Operário, Laurival Pontarollo. “Uma coisa tinha que acontecer com o time, e acabou sendo a saída do Lio. Agora é bola para frente”, disse Pontarollo.

Sobre o time, que amarga a 7ª colocação no Campeonato Paranaense e teve apenas duas vitórias no torneio, o ex-técnico do Operário não se exime da responsabilidade pelos maus resultados. “Foram 10 partidas e infelizmente não consegui dar um padrão tático ao time”, relata. “O motivo principal da saída é o resultado e a parte tática. Trabalhamos para caramba, fizemos o possível, usei tudo que podia, mas a coisa não andou”, disse o entristecido treinador, que comandou o Fantasma em 28 oportunidades, com nove vitórias, 11 empates e oito derrotas.

Futuro
Sem deixar ‘recomendações’ ao novo técnico, Lio Evaristo exaltou a qualidade do grupo alvinegro. “O treinador que chegar aqui vai pegar um grupo muito bom de jogadores, e esperamos que as coisas funcionem”, disse. Desde a noite de segunda-feira, as diretorias de Operário e LA Sports já iniciaram os contatos para a contratação de um novo comandante. “Desde o momento em que o Lio nos comunicou até agora nós não paramos de fazer contatos, de trabalhar. Não temos tempo a perder”, disse Luiz Alberto de Oliveira.

Apesar do trabalho, Luiz Alberto não quis dar pistas sobre quem pode treinar o Fantasma. “Temos um perfil específico para o novo técnico, que vamos deixar em sigilo. Já temos uma lista de nomes que se encaixam e esperamos e fechar o mais rápido possível”, disse. Entre os possíveis nomes, informações de bastidores dão conta que o novo técnico pode vir de um clube da região Nordeste, e que ele seria anunciado após a rodada desta quarta-feira em alguns Campeonatos Estaduais. Por outro lado, o presidente Laurival Pontarollo confirmou que o time já teria entrado em contato com Paulo Turra, que saiu do Cianorte na última semana.

PAULO FOIANI
Enquanto não se define quem será o novo comandante do Fantasma, o auxiliar técnico Paulo Foiani – que até a temporada passada era jogador do clube – será o comandante da equipe de Vila Oficinas. O ex-volante já comandou o trabalho realizado na tarde de ontem, e deve ficar no banco na partida contra o Atlético, no sábado, em Curitiba.

Lista de dispensas é suspensa
Com a saída de Lio Evaristo, o Operário ‘segurou’ a lista de dispensas que estava prevista para a manhã de ontem. Segundo a assessoria de imprensa do clube, os jogadores que não farão mais parte do grupo serão decididos apenas após a chegada do novo comandante, que não tem previsão definida. Após a coletiva que anunciou a saída do ex-técnico do Fantasma, ninguém da diretoria se manifestou na Sala de Imprensa do Estádio Germano Krüger.

Hoje, o elenco do Operário é composto por 38 jogadores entre atletas do profissional e da categoria sub-20, que vai disputar o Campeonato Paranaense da categoria. Na própria entrevista coletiva, Lio Evaristo colocou que o inchaço do elenco foi um dos motivos que dificultou o trabalho dele nesta temporada. “Era difícil trabalhar a parte tática com 35, 40 jogadores. Às vezes tínhamos que dividir os jogadores em grupos e alguns ficavam chateados. Fica complicado”, disse.

Por Sebastião Machado Neto (Diário dos Campos – 27/02/2013).

Uma resposta a Diário dos Campos: Lio pede demissão; Fantasma busca novo técnico