Operário precisa da igualdade para conquistar o Troféu Campeão do Interior neste domingo, em Londrina, contra o Tubarão; técnico Paulo Turra tem duas dúvidas para escalar o time

Último treino do alvinegro com a presença da imprensa aconteceu na quinta-feira, em Vila Oficinas

Último treino do alvinegro com a presença da imprensa aconteceu na quinta-feira, em Vila Oficinas

A 90 minutos do título. O Operário Ferroviário decide neste domingo, a partir de 15h50, o título do Troféu Campeão do Interior contra o Londrina, no Estádio do Café. A partida vale a condição de melhor clube fora da capital no Campeonato Paranaense e o prêmio de R$ 50 mil dado pela emissora que detém os direitos de transmissão do Estadual. Além do ‘caneco’, a partida entre Tubarão e Fantasma de Vila Oficinas é cercada de rivalidade e pode garantir a vantagem do alvinegro no retrospecto dos confrontos recentes entre os clubes.

E para sair do Norte do Estado como campeão, o time de Ponta Grossa precisa do empate contra o líder da classificação acumulada do Estadual. “Os treinamentos correram bem durante a semana, tudo tranquilo. Estamos conscientes das dificuldades que vamos enfrentar em Londrina, mas também sabemos que temos condições de trazer o título”, disse o técnico Paulo Turra, em entrevista coletiva que aconteceu na tarde desta sexta-feira no Estádio Germano Krüger, após o penúltimo treino do time antes do duelo decisivo.

O comandante do Operário, inclusive, é o atual vice-campeão do Troféu do Interior com o Cianorte. Da mesma forma, o Fantasma também já ‘bateu na trave’ na competição, quando perdeu o título para o Leão do Vale na decisão por pênaltis, em 2011. “Qualquer profissional vive de títulos. Para mim é o 2° ano que chego à esta decisão e isso é bom. E dessa vez tenho a convicção de que a gente vai vencer”, comenta Turra, que chegou ao alvinegro para o 2° turno do Paranaense.

Além da importância pessoal, uma possível conquista do Troféu Campeão do Interior também representa muito para o clube princesino, que não conquista um título de relevância estadual há pelo menos 20 anos. “Queremos entrar para a história do clube, fechar este ciclo com chave de ouro. Sabemos o quanto é importante para o Operário que a gente traga este título”, destaca o meia Sandro, um dos mais experientes do grupo alvinegro, que coloca como única decepção no clube a desclassificação para a Série D do Campeonato Brasileiro.

Time
Por se tratar de uma decisão, o técnico Paulo Turra mais uma vez lançou mão do mistério para montar o time que vai a campo em Londrina. Com a volta de Sandro, que estava suspenso e não jogou a primeira partida da decisão, surgiu uma dúvida no meio-campo alvinegro. Além disso, o goleiro Silvio foi liberado de forma definitiva para as atividades e será relacionado entre os 18 atletas que estarão a disposição do Operário neste domingo. “Dentro do que a gente está trabalhando, pode ter surpresa. Só não vou contar para vocês porque senão deixa de ser surpresa”, brinca o comandante.

Mas a tendência, pelo menos entre os jogadores de linha, é que a equipe da vitória no 1° jogo da decisão em Ponta Grossa seja repetida. Com isso, o Fantasma jogaria com três volantes (Jacio, Patrick e Sidnei), dois meias (Rone Dias e Cacá) e apenas Paulo Sérgio como atacante. “Estou preparando nossos jogadores principalmente para o começo, para fechar os espaços, porque eles vão se atirar ao ataque e tentar sufocar a gente”, avalia Paulo Turra, que nesta possibilidade teria Maicon Veiga e Sandro como opções para a etapa final.

TELÃO
Para o torcedor que não for até Londrina acompanhar a decisão, o Operário vai disponibilizar um telão no Estádio Germano Krüger a partir das 15h30. A iniciativa é uma parceria dos dirigentes do Fantasma com a Fundesp e o GMAD, patrocinador máster do clube.

Londrina terá Neílson para a decisão
“Estamos prontos, preparados e conscientes da nossa responsabilidade”. Estas são as palavras do técnico Cláudio Tencati, ao definir o Londrina que enfrenta o Operário neste domingo. Mesmo com a derrota no jogo de ida pelo placar de 2 a 1, em Ponta Grossa, para o Tubarão basta uma vitória simples para comemorar o título. Com exceção do atacante Alexandre Oliveira, suspenso, Tencati tem todo o elenco à disposição, inclusive o centroavante Neílson, que não voltou a sentir dores na coxa direita.

“Estou bem em todos os aspectos, seja emocionalmente e fisicamente para essa final. Espero viver mais uma tarde inspirada e cumprir com o meu papel de fazer gols”, disse o vice-artilheiro do Paranaense com 12 gols. Capitão do Tubarão, o volante Germano destaca as qualidades e virtudes do Operário, mas ressalta o fator casa precisa fazer a diferença. “Eles [Operário] possuem seus destaques individuais, assim como nós temos os nossos e, como eles venceram em Ponta Grossa, cabe ao Londrina fazer o dever de casa”, afirma.

– Ficha Técnica –

LONDRINA: Danilo; Maicon, Dirceu, Gilvan e Wendell; Diogo Roque, Bruno, Germano, Celsinho; Weverton e Neílson – Técnico: Cláudio Tencati
OPERÁRIO: Serginho (Silvio); Correia, Alex Moraes, Edimar e Cazumba; Jacio, Patrick, Sidnei, Rone Dias e Cacá (Sandro); Paulo Sérgio – Técnico: Paulo Turra

ARBITRAGEM: Rodolpho Toski Marques
ASSISTENTES: Luiz Henrique Renesto e Victor Hugo Imazu dos Santos
ESTÁDIO: do Café – DATA: 12/05 – HORÁRIO: 15h50
INGRESSOS: R$ 22 (visitantes)

Por Sebastião Machado Neto (Diário dos Campos – 12/05/2013).

Os comentários estão encerrados.