No atual momento do futebol, a busca por parceiros é fundamental para o sucesso do clube. Grupo MM MercadoMóveis, patrocinador máster do clube, é um dos principais apoiadores

Empresário Márcio Pauliki, do MM Mercadomóveis

Empresário Márcio Pauliki, do MM Mercadomóveis

Depois do retorno ao futebol profissional, em 2004, o Operário contou com o apoio de diversas empresas ponta-grossenses de diversos setores. Entre elas, o Grupo MM MercadoMóveis foi um dos maiores incentivadores do clube para que ele chagasse onde está. “Hoje a empresa de Ponta Grossa que mais acredita no Operário é o Grupo MM. Faz cinco anos que estamos acreditando no Operário, desde em tempos não tão bons, na época em que ele estava na Segunda Divisão. Estamos com o time, inclusive, não só patrocinando, mas junto do clube nos projetos de marketing, tentando vender cotas, apoiando no possível na busca por apoiadores”, declara Márcio Pauliki, superintendente do Grupo MM.

Pauliki destaca que as conquistas atuais do clube, como a ascensão à primeira divisão em 2009 e as participações em campeonatos nacionais entre 2010 e 2012, só foram possíveis através da confluência de três forças: o apoio dos patrocinadores, a força da apaixonada torcida e a credibilidade da diretoria. “O fato de ter apoiado o clube lá na Segunda Divisão, onde a mídia para a empresa é pequena, acredito que foi preponderante para o Operário hoje estar aí. Mas ainda acho que o maior peso para o clube subir para a primeira divisão foi a torcida. Não adianta um time ser patrocinado e não ter torcida como a do Operário. A competência do atual presidente, o Iurk, que é um cara muito sério e conta com uma equipe muito séria ao seu lado, também contou muito”, aponta.

Entre os principais motivos para acreditar e apoiar o Operário, o superintendente do grupo revela que faz parte do DNA da empresa a política do bom bairrismo, de apoiar as boas causas da cidade e de aplicar e devolver à cidade o que se ganha dela, não visando o lucro. Até porque, segundo ele, o fato do time se destacar a nível nacional nos principais telejornais e exibir o nome da cidade para todo Brasil, faz o ponta-grossense sentir-se bem e ter sua autoestima elevada. “O esporte mexe muito com essa autoestima. Quando vemos nosso time vencendo, sendo destaque na imprensa nacional, falando sobre ele e, consequentemente, da cidade, é uma forma de mostrar que ‘ó nós existimos, estamos aqui, somos organizados, competentes, somos bons, somos competitivos’. E acho que apoiar o Operário é a forma mais eficiente”.

Para o futuro, Pauliki acredita que o Operário possa a realizar boas parcerias. Para isso, deve promover uma grande mobilização estruturada em prol da causa, possibilitando ao clube ostentar mais conquistas. “Para o operário poder crescer no futebol, precisa de dinheiro. E isso só se consegue com bons patrocinadores. Como empresas da cidade, somos limitados. Acho que o Operário precisa de R$ 2 milhões para fazer um bom campeonato, então precisamos dar o maior apoio, formando uma comissão com pessoas da sociedade civil, empresários, poder público, secretário e prefeito com sua representatividade, para conversar com as grandes empresas de São Paulo e de ‘fora’”, esclarece.

O superintende se diz grato em ter a oportunidade de levar a marca na camisa sagrada do clube e exalta a data comemorativa. “A história demonstra que não é só o esporte que está no sangue do Operário, mas a força motriz dos nossos cidadãos dos trabalhadores ferroviários que construíram uma cidade. Homenagear o Operário é homenagear os trabalhadores da cidade que constituíram esse grande time. Por isso esse nosso Fantasma será um eterno campeão seu passado de glorias vai se multiplicar. Juntos podemos juntos fazer com que o Operário faça não só ele, mas toda cidade aparecer no cenário nacional. E por que não internacional? Rumo a Tóquio!”

Por Fernando Rogala (JMNews – 1/05/2012).

Os comentários estão encerrados.