Alvinegro chega ao fim do primeiro turno lutando contra últimas colocações, bem diferente do planejamento feito antes do Campeonato Paranaense

Ceará retorna ao Operário, e tenta por fim à série negativa de resultados - Foto: Fábio Matavelli

Ceará retorna ao Operário, e tenta por fim à série negativa de resultados - Foto: Fábio Matavelli

O Operário chega ao fim da primeira parte do Campeonato Paranaense diferente daquilo que havia planejado antes do início da competição. A meta em Vila Oficinas – no ano em que o clube completa cem anos de existência – era figurar entre os quatro ou cinco primeiros lugares, para na parte final da competição buscar uma arrancada em busca do topo da tabela.

Porém, ao encerrar o primeiro turno hoje, diante do Corinthians-PR, às 16 horas, no Eco-Estádio, o clima é bem diferente daquele imaginado no começo da competição. Ao invés da euforia por uma possível boa colocação, o clima em Vila Oficinas é de preocupação.

A equipe ponta-grossense atravessa um de seus piores momentos desde que retornou à elite do futebol do Estado. Na décima colocação, com apenas oito pontos somados, a briga no alvinegro é para não cair para a zona de rebaixamento, e assim entrar na parte final do Estadual brigando contra um descenso que seria trágico no ano do Centenário.

Sem vencer há três rodadas seguidas, com dispensas de jogadores e protestos da torcida contra a diretoria, o clima não é nada agradável. Cabe ao técnico Lio Evaristo – que também disparou críticas à situação da equipe após o empate em casa com o Iraty no meio de semana – tentar reverter o ambiente, mais uma vez, apelando para sua já conhecida retórica. “Tem que ter calma. Quando as vitórias começarem a aparecer, e isso não pode demorar para acontecer, o jogador vai subir de produção. Tem que ir conversando com os jogadores, com calma se dá um jeito”, diz o treinador, que considera normal a pressão cada vez maior desde a sua chegada no Operário. “A pressão sempre vai existir no futebol, é todo dia. Em um clube como aqui, tem que estar pronto para isso e dar a resposta”.

Para o confronto de hoje à tarde, Lio mais uma vez promoveu alterações no time titular. Com a saída de Jeferson, que pediu dispensa, Cláudio será o lateral-direito titular, enquanto que na defesa Henrique ganha uma chance ao lado de Renato Saldanha. “A gente julgou que a zaga está desprotegida, e o João Paulo precisa dar uma respirada. Conversei com ele, aceitou numa boa, e o Henrique também estava merecendo uma oportunidade”, justificou o treinador. Na ala esquerda, Wellington Santos será o titular.

O meio de campo terá Marcelo Carvalho, Goiano, Patrick e o retorno de Ceará. Na frente Ícaro também volta, e terá como dupla o jovem Maicon, autor dos dois gols contra o Iraty.

Da Redação (Diário dos Campos – 26/2/2012).

Uma resposta a Diário dos Campos: Operário troca euforia por pressão