Clube espera garantir planejamento com os lucros de negociações de jovens valores; multas milionárias são esperança para que o alvinegro tenha lucro inédito

Maicon é a o principal nome das ‘apostas’ do Operário nas negociações para o segundo semestre

Maicon é a o principal nome das ‘apostas’ do Operário nas negociações para o segundo semestre

Os olhos do Operário crescem com a possibilidade de – pela primeira vez em muitos anos, talvez em sua história – lucrar com a venda de jogadores. O alvinegro se apega à possibilidade negociar pelo menos um de três jogadores considerados ‘joias’ e com vínculo com o clube até 2014.

O alvinegro estipulou em R$ 2 milhões – podendo chegar até R$ 5 milhões – as multas rescisórias dos jogadores (valores que podem ser considerados altos se comparados com outras negociações no país. A DIS, grupo de investidores, pagou R$ 5 milhões por 10% dos direitos do meia Paulo Henrique Ganso, por exemplo), o que podem garantir o planejamento do clube para as próximas temporadas.

As atuações do trio durante o Campeonato Paranaense deste ano fizeram com que o time de Vila Oficinas ‘colocasse na vitrine’ as revelações. Antes do encerramento do Estadual o clube já discutia abertamente a possibilidade de negociar os jogadores. Um agente representante do Saint Etienne, da França, inclusive, acompanhou os treinos e jogos do Operário, para observar Patrick e Maicon. O atacante de 20 anos ainda teve seu nome especulado em uma possível negociação com o Grêmio.

Apesar das multas, ainda que ‘negociáveis’ e podendo ser reduzidas, e nos lucros que podem gerar aos cofres do clube ponta-grossense, a direção do Operário já admite que os jogadores não sejam vendidos. A possibilidade de somente emprestar os jovens valores no segundo semestre já passa a ser considerada no clube. Ainda existe a possibilidade de uma negociação com um clube europeu também não é descartada, embora só venha a ocorrer mais posteriormente. “A janela (de transferências) para a Europa só abre daqui a dois meses, e daí é que devem começar a surgir algumas coisas”, almeja o diretor de futebol do Operário Maurício Barbosa.

Maicon revelou, antes da última rodada do Estadual, que ainda mantém contato com os empresários da Premier Soccer, grupo de investidores do Rio de Janeiro que administrava o futebol no Operário até o ano passado, mas assegurou que quem estava conduzindo as possíveis transferências eram os dirigentes do alvinegro.

Da Redação (Diário dos Campos – 6/05/2012).

Uma resposta a Diário dos Campos: Operário pode lucrar R$ 2 mi com jogadores