Na véspera da estreia, treinador do Operário prioriza o aspecto psicológico; Paiva segue com problemas para definir os titulares de amanhã

Presidente do Operário conversou com o elenco ontem à tarde, antes do último treino em Ponta Grossa - Foto: Fabio Matavelli

Presidente do Operário conversou com o elenco ontem à tarde, antes do último treino em Ponta Grossa - Foto: Fabio Matavelli

Na véspera da estreia no Campeonato Paranaense, o Operário não esconde a tensão, a ansiedade pela primeira partida no Estadual. Ontem, o alvinegro fez seu último treino antes de concentrar e embarcar para Apucarana, onde enfrenta, amanhã, o Paranavaí.

Mais do que o treino tático que comandou na última parte da atividade de ontem à tarde, o técnico Carlos Paiva priorizou a conversa com seus jogadores, promoveu um ‘rachão’, tudo na tentativa de tentar descontrair o ambiente.

“O diálogo nessas horas é mais importante. Estão todos aguardando esse momento para o qual se preparam há meses. A tensão, a ansiedade, é normal. Todos sabiam que iam participar de um clube com torcida, com cobrança, e a tensão vai subindo com o passar dos dias”, avaliou Paiva. “Nessas horas a preleção, a concentração são muito importantes para trabalhar o aspecto psicológico do jogador”, complementa.

Antes do treino o presidente Carlos Roberto Iurk compareceu ao gramado do Germano Krüger e conversou com os jogadores, ressaltando o ‘momento de conversa’ que o elenco atravessa. Paiva admite certa intranquilidade entre seus jogadores, mas sabe que um resultado positivo na primeira rodada muda completamente o ambiente. “A tranqulidade vem com os resultados, os jogadores têm de estarem cientes de que o mais importante é somar pontos lá”, discursa.

Da Redação (Diário dos Campos – 21/1/2012).

Uma resposta a Diário dos Campos: Operário apela ao diálogo