Operário sofreu gols em todos os jogos oficiais que disputou em 2012; alvinegro também é o time com mais cartões no Paranaense

Três goleiros já entraram em campo pelo Fantasma no estadual - Foto: Rodrigo Covolan

Três goleiros já entraram em campo pelo Fantasma no estadual - Foto: Rodrigo Covolan

Muitos podem ser os fatores que explicam a má fase do Operário Ferroviário no Campeonato Paranaense 2012. Mas ao analisar as estatísticas da competição, fica evidente uma das principais fragilidades do elenco alvinegro: a defesa. Em todos os 14 jogos oficiais que a equipe realizou em 2012 (13 pelo estadual e 1 pela Copa do Brasil), o Fantasma sofreu pelo menos um gol.

O problema começou com o técnico Carlos Paiva, que via seus comandados com a síndrome dos gols sofridos antes dos 10 minutos, fato que ‘assombrou’ o Fantasma nas primeiras três partidas do torneio. Mesmo com a troca de comando (e também do goleiro, Filipe no lugar de Gabriel), o alvinegro seguiu vazado em todos os jogos. “Futebol é pressão o tempo todo, já estamos acostumados com isso. É claro que a questão dos gols não é só a defesa, até porque sem a bola todo mundo marca”, disse o goleiro Filipe.

Mesmo o Iraty, lanterna do campeonato com apenas cinco pontos, conseguiu ficar duas partidas sem ver o adversário colocar a bola no fundo da rede. Isso aconteceu nos empates contra o Corinthians-PR e o Cianorte, na 1ª rodada deste 2º turno. “Está complicado. Estamos segurando os adversários nos primeiros 25, 30 minutos, e aí quando sofremos o gol o time descontrola”, aponta o volante Goiano.

Além de não conseguir evitar os gols dos concorrentes, o Operário ainda lidera outra péssima estatística: o de time mais indisciplinado do Paranaense. Após a derrota de 5 a 0 para o Atlético-PR, o alvinegro somou, ao todo, 46 cartões – 41 amarelos e 5 vermelhos, um a mais que o Paranavaí, 2º colocados na classificação das punições. Apesar disso, Lio Evaristo não tem nenhum jogador suspenso para a partida contra o Roma, neste domingo, em Apucarana.

Da Redação (Diário dos Campos – 10/3/2012).

Uma resposta a Diário dos Campos: Fantasma tem defesa instável