Lio Evaristo reclama de time, pede reforços e dispensas e chama situação de ‘ridícula’; torcida protesta contra diretoria e alvinegro chega ao fim do 1º lutando contra a zona do rebaixamento

Operário, em crise, tem aproveitamento de 27% e se aproxima das últimas colocações - Foto: Rodrigo Covolan

Operário, em crise, tem aproveitamento de 27% e se aproxima das últimas colocações - Foto: Rodrigo Covolan

O Operário chega à quase metade do Campeonato Paranaense no pior momento em que já se encontrou nos últimos anos. O alvinegro flerta com a zona de rebaixamento, atravessa um jejum de três rodadas sem vencer, soma apenas oito pontos em dez jogos – aproveitamento de 27% – e ao fim do empate em casa (mais um tropeço em casa nesta temporada) por 2 a 2, viu a torcida protestar contra a direção e o treinador espalhar críticas em todas as direções.

Assim que a partida contra o Iraty foi encerrada, na última quarta-feira, um grupo de torcedores protestou contra a má fase em que o clube se encontra, justamente no ano em que completa cem anos. O principal alvo da ira dos torcedores era a direção alvinegra responsável pelo planejamento da equipe, e sobretudo o presidente Carlos Roberto Iurk.

Quase simultaneamente, Lio Evaristo esbravejava na entrevista coletiva. O treinador não poupou os jogadores, reclamou da falta de reforços e indicou com a provável dispensa de atletas. “Não tem justificativa, explicação. Mesmo com os desfalques que tínhamos, a gente tinha obrigação de vencer. Hoje não teria que vir só eu, tinha que vir os jogadores também, foi uma coisa ridícula”, disse. “Tanto eu como técnico, e os jogadores também, têm que ser realista, tem q fazer alguma coisa. Não tem a mínima condição do jeito que está”, completou.

A montagem do elenco, feita antes de Lio chegar em Vila Oficinas também não escapou das críticas do técnico. Na análise feita por ele, é preciso uma reformulação no grupo atual para que evite um final trágico para o Operário no Estadual. “Tem que recomeçar, até agora o que se está fazendo é ridículo. Não vou falar de contratação, é perder tempo, é visível, não adianta continuar com essa situação. Medidas têm que ser tomadas o mais rápido, e o Operário não pode pagar lá na frente”.

O treinador adiantou que o alvinegro confirmou a contratação do zagueiro Neguete. O diretor de futebol, Maurício Barbosa também promete, para ainda esta semana, ‘novidades’, que podem ser contratações, mas também dispensas.

Da Redação (Diário dos Campos – 24/2/2012).

Os comentários estão encerrados.