O Atlético-PR sofreu nesta quarta-feira sua segunda derrota, em quatro rodadas do Campeonato Paranaense. Jogando em Ponta Grossa, o time rubro-negro voltou a atuar mal e foi derrotado por 1 a 0 pelo Operário. Novamente, a equipe da Baixada levou o gol no primeiro tempo, mas, desta vez, não conseguiu virar o marcador, com havia ocorrido contra o Corinthians-PR e Iraty.

Com o resultado, o time caiu para a sétima colocação, com 6 pontos e corre o risco de ficar a quatro pontos do rival Coritiba, que defende a liderança, nesta quinta-feira, diante do Cascavel, no Couto Pereira.

O Operário obteve sua segunda vitória e afastou a crise que já rondava o Germano Kruger. O time de Ponta Grossa termina a quarta rodada na nona colocação, com 6 pontos.

O jogo
O Atlético começou no ataque e quase marcou aos 3 minutos. Paulo Baier cobrou escanteio fechado e bola por pouco não enganou o goleiro Ivan.

O Operário parecia acuado e o Furacão apertava. Aos 10 minutos, Guerrón aproveitou um cruzamento da direita e cabeceou para o gol. O equatoriano, porém, estava impedido e o lance foi anulado.

O time de Ponta Grossa equilibrou o jogo e abriu o placar aos 16 minutos. Evandro recebeu um cruzamento da direita e bateu de voleio. A bola desviou em Manoel e enganou o goleiro João Carlos. Pela quarta vez seguida, o Atlético saía atrás no placar.

Sob forte marcação, o Atlético tinha dificuldade para sair jogando da defesa. Com Lucas isolado no ataque, seus lances mais perigosos nasciam de levantamentos na área, em bolas paradas.

Apesar da pressão atleticana, a chance mais clara de gol foi criada pelo Operário. Aos 45 minutos, Matheus recebeu cruzamento da direita, e de frente, para o gola bateu para fora.

O Atlético começou o segundo tempo pressionando fortemente. Aos 4 minutos, o empate só não aconteceu graças ao goleiro Ivan, que fez linda defesa, em um chute de Paulo Baier, que pegou de sem pulo da entrada da área.

As chances surgiam, mas o gol não saía. Aos 12 minutos, Guerrón recebeu passe na área. Livre, ele demorou para concluir e teve o chute desviado pela defesa.

A partir dos 30 minutos, o Operário voltou a equilibrar o jogo e criou chances seguidas, com o meia Rilber. Por duas vezes, ele pegou de frente para o gol, mas o chute saiu por cima.

O drama do Atlético aumentou, aos 32 minutos, quando Manoel foi expulso. Em uma jogada na lateral-direita, o zagueiro chutou Mateus e recebeu o cartão vermelho.

O Operário aproveitou a vantagem e quase ampliou o placar, aos 47 minutos. Grilo foi a linha fundo e rolou para Serginho Catarinense, que tocou por cima, quase embaixo do gol.

O clima esquentou no fim do jogo. No último minuto, o Atlético teve mais um jogador expulso. Iván González chutou um adversário e recebeu o vermelho.

“O Operário foi merecedor do resultado. Isto foi alertado, a gente, nas últimas rodadas, tinha tomado os gols e tinha revertido, mas uma hora não ia dar”, disse Paulo Baier.

ATLÉTICO-PR 0 x 1 OPERÁRIO

OPERÁRIO
Ivan, Vinícius e João Paulo; Lisa, Cambará (Serginho Catarinense), Lucas Michels (Edson Grilo)., Serginho Paulista e Rilber e Gílson; Matheus e Hevandro (Arílson)
Técnico: Amilton Oliveira

ATLÉTICO
João Carlos; Marcos Pimentel, Manoel, Rafael Santos e Paulinho; Alê, Deivid (Iván González), Paulo Baier, Branquinho (Henan); Guerrón (Rogério) e Lucas.
Técnico: Sérgio Soares

Data: 26/01/2011 (quarta-feira)
Local: Germano Kruger,em Ponta Grossa
Árbitro: Leandro Júnior Hermes
Auxilares: José Amilton Pontarolo e Dirceu Eloi Comin
Cartões amarelos: Marcos Pimentel, Paulinho (Atlético); Matheus, Cambará, Lucas, Rilber, Gilson (Operário)
Cartões vermelhos: Manoel e Iván Gonzales

Gols: Evandro, aos 16 min do primeiro tempo;

Por UOL Curitiba (UOL – 27/1/2011).

Os comentários estão encerrados.