Sem mais expectativas no Grupo A7 na Série D do Campeonato Brasileiro 2011, o Operário entrou em campo na tarde de hoje apenas para cumprir tabela conta o Mirassol-SP. O último jogo desta primeira fase da competição aconteceu em Ponta Grossa, no Estádio Germano Krüger. Apesar de não valer mais nada, este foi o melhor jogo do Fantasma na Série D. Vitória por 3 a 0.

Agressão ou simulação?
Já desclassificado da Série D, o Operário jogou sem muita pressão contra o Mirassol. Logo no início foi para cima do time paulista e teve um bom começo de jogo. Apesar do jogo não valer nada o time ponta grossense se lançou ao ataque e passou a ter boas chances, já que fazia boas jogadas pelos flancos e chegou a assustar o goleiro Veloso em pelo menos duas ocasiões.

A maior emoção aos poucos torcedores presentes no estádio ficou maior na casa dos vinte minutos, aos 24 em uma bola lançada por Marcelinho, Cícero mandou para o fundo das redes e abriu o placar para o Fantasma. Mal deu para terminar uma comemoração e a torcida já estava comemorando o segundo gol, pois aos 26 minutos Luciano chutou de longe e teve muita felicidade ao marcar o segundo tento para o Operário.

Em apenas dois minutos o time de Ponta Grossa fez o que não havia feito no campeonato inteiro, ou seja, conseguiu marcar duas vezes em um primeiro tempo em toda a competição. Pena que o jogo já não valia mais nada para o time, apenas terminar dignamente o seu último jogo oficial no ano.

Mas em um jogo que era para fechar o campeonato com uma boa vitória e sem percalços teve um lance lamentável, aos 36 minutos, George, lateral do Operário, foi expulso. E após o lance, o árbitro carioca Rodrigo Nunes de Sá foi agredido pelo atleta. Mas algumas imagens mostram que o jogador apenas empurrou o juiz sem ter desferido nenhum ato de agressão física.

Depois da expulsão o jogo ficou um pouco mais aberto, pois o time paulista tinha um jogador a mais. Apesar disso, o Operário continuou indo para cima e levando perigo em alguns lances de falta e de bolas alçadas na área.

Mas o primeiro tempo acabou mesmo com a vitória parcial do Fantasma por 2 x 0. Na saída para o intervalo, alguns jogadores do Operário afirmaram que o árbitro “simulou” a agressão e que o lance não foi para expulsão. Um lance realmente inusitado, algo raramente visto em um jogo de futebol profissional. Sinal de que o STJD vai ter mais trabalho em alguns dias e certamente terá que punir o juiz, caso seja comprovada a “simulação”.

Operário marca mais um e se despede da Série D com vitória
No intervalo o técnico do Mirassol promoveu duas alterações na equipe. Tirou Alex Silva para a entrada de Diogo, e Roberto Jacaré para a entrada de Henrique Dias. E, apesar das modificações, o segundo tempo já começou com mais um gol do Operário. Aos nove minutos, Luciano meteu mais uma bola no fundo das redes e ampliou a vantagem do Fantasma no placar.

Melhor em campo, o Operário continuou atacando e levando muito perigo à meta do goleiro Veloso. Na tentativa de não levar mais gols, o técnico Ivan Baitello promoveu sua última alteração. Tirou Renan do jogo para dar lugar a Jaílton. Já na equipe do Fantasma, o comandante Igor também mexeu. Felipe Longo saiu para a entrada de Correia, e Cícero deixou o gramado para a entrada de Maicon Veiga.

O quarto gol do Operário quase aconteceu no contra-ataque. Com 31 minutos, Serginho Paulista partiu na velocidade e tocou para Luciano. O atacante finalizou mal e desperdiçou a oportunidade de ampliar ainda mais o placar.

A jogada que levou mais perigo ao gol do Operário neste segundo tempo aconteceu aos 40 minutos. A bola passou pela frente do gol defendido por Fabrício e saiu pela linha de fundo na jogada de Tiago Cavalcanti. Até o apito final, o Operário manteve a posse de bola e ficou administrando o placar. Já nos instantes finais, Fabrício evitou o gol do Mirassol espalmando a bola para a linha de fundo. Final de jogo no Germano Krüger, em Ponta Grossa.

Com este resultado, o Operário se despediu da Série D com vitória, e ainda tirou o Mirassol da primeira colocação no Grupo A7.

FICHA TÉCNICA
OPERÁRIO 3 X 0 MIRASSOL

Operário: Fabrício; Felipe Longo (Correia), Nelinho, André e George; Marcelo, Serginho Paulista, Cícero (Maicon Veiga), Élvis e Luciano; Marcelinho (Patrick).
Técnico: Igor.

Mirassol: Veloso, Renan (Jaílton), Diogo Henrique e Bruno Burque; Serginho, Alex Silva (Diogo), Gilsinho, Victor e Assis; Roberto Jacaré (Henrique Dias) e Tiago Cavalcanti
Técnico: Ivan Baitello

Local: Estádio Germano Kruger, em Ponta Grossa (PR).
Data/Horário: 18/09/2011, às 16h00.
Árbitro: Rodrigo Nunes de Sá (RJ).
Assistentes: Ivan Carlos Bohn (PR) e Luciano Roggenbaum (PR).

Público/Renda: 177 pagantes | 198 total | R$ 2.550,00
Cartões amarelos: Alex Silva, Renan, Serginho, pelo Mirassol; Serginho Paulista, Maicon, pelo Operário
Cartão vermelho: George, pelo Operário.
Gols: Cícero, aos 24 minutos do primeiro tempo. Luciano, aos 26 minutos do primeiro tempo e aos 9 minutos do segundo tempo, pelo Operário.

Por Regina Ferreira (Redação em Campo – 18/9/2011).

Os comentários estão encerrados.