Insultos raciais oriundos das arquibancadas quase fizeram com que o treinador do Operário, Amilton Oliveira, abandonasse o comando da equipe após o jogo de sábado

Insultos raciais oriundos das arquibancadas quase fizeram com que o treinador do Operário, Amilton Oliveira, abandonasse o comando da equipe após a derrota para o Paranavaí por dois a um, no Estádio Germano Krüger. Amilton enfatiza que atitudes preconceituosas não podem ser aceitas como ‘normal’. “Esses problemas raciais me fizeram repensar se eu permaneceria como treinador do clube. A princípio eu permaneço, mas é necessário que algo seja feito para não termos mais esse tipo de problemas”, afirma o treinador.

Foto: O atacante Matheus marcou o único gol do Fantasma na derrota para o Paranavaí

O atacante Matheus marcou o único gol do Fantasma na derrota para o Paranavaí

Amilton ressalta que críticas quanto à equipe, à escalação e às três derrotas em casa sofridas pelo Fantasma são, inclusive, necessárias. “Criticar o meu trabalho, não tem problema. Agora eu não aceito ofensas quanto à minha pessoa. Como treinador estou à mercê das críticas. E eu acho que tem que criticar mesmo a falta de vitórias em casa, a falta padrão de jogo, se fiz a escalação errada. Agora me chamarem de ‘macaco’ e ‘preto vagabundo’ é inadmissível”, enfatiza o técnico.

Por Diego Antonelli (JMNews – 8/2/2011).

Os comentários estão encerrados.