Fantasma busca terceira vitória consecutiva hoje à noite contra o Roma com desfalques importantes no elenco

O Operário entra em campo hoje, às 20h30, para enfrentar o Roma, em Apucarana, em busca da terceira vitória consecutiva no Campeonato Paranaense. Após vencer o Atlético-PR e o Rio Branco, o time de Vila Oficinas almeja mais um resultado positivo para permanecer na cola dos líderes do Estadual. Apesar do bom momento do Fantasma, o forte ritmo da competição, com cinco jogos em um intervalo de apenas 14 dias, já começa a provocar desgastes nos jogadores. Um dos principais desafios do Fantasma é justamente trazer mais três pontos fora de casa diante de desfalques importantes no time titular.

Foto: Jogadores do Operário embarcaram ontem à tarde para o jogo de hoje contra o Roma

Jogadores do Operário embarcaram ontem à tarde para o jogo de hoje contra o Roma

O centroavante Matheus, autor do primeiro gol do alvinegro na vitória contra o Rio Branco e um dos destaques do time, não tem sua escalação garantida. O atleta está com uma inflamação na parte interna da coxa direita e não sabe se poderá atuar. “Se o jogo fosse hoje (ontem) não poderia jogar. Mas a lesão está melhorando. E se não der para jogar, não tem problema. É melhor se recuperar bem e ficar de fora de um jogo do que aumentar a lesão e ficar de fora por mais tempo”, diz Matheus.

Para esta partida, Richard Malka ainda não sabe se poderá escalar o lateral-direito Cassiano, que se contundiu na derrota por 4 a 2 para o Atlético na Arena. Foi a segunda derrota do Tricolor no Estadual.

Cassiano deixou o gramado com uma torção no tornozelo e passou a ser dúvida, se Cassiano for vetado pelo departamento médico, Malka escalará Daniel Marques.

O presidente do Roma, Sérgio Kowalski, disse ontem que os ingressos antecipados para a arquibancada descoberta estão mais baratos, pois custarão R$ 15.

Roma x Operário
Estádio Bom Jesus da Lapa – 20h30
Árbitro: Jarbe Cassou
Assistentes: Ricardo Vilar Neves e Cesar da Silva Nogueira

Por Diego Antonelli (JMNews – 2/2/2011).

Os comentários estão encerrados.