Após boa campanha nos primeiros meses, produção do Operário entrou em declínio e temporada está arriscada; direção anunciou reforço de atacante com passagens pelo Botafogo

Ainda que tenham apresentado altos e baixos, os cinco primeiros meses de 2011 foram de bom proveito ao Operário, com a terceira colocação no Campeonato Paranaense, a vaga na Série D e virtual classificação para a Copa do Brasil no ano que vem.

Os bons resultados evidenciaram um planejamento exaltado e que ganhou fôlego com a transferência de 100% da gestão do futebol aos empresários da Premier Soccer. Porém, na virada do primeiro ao segundo semestre Vila Oficinas viu um declínio dos resultados.

DECLÍNIO Ataque do Operário, de Ícaro, viu redução após o fim do Campeonato Paranaense

DECLÍNIO Ataque do Operário, de Ícaro, viu redução após o fim do Campeonato Paranaense

Embora tenha sido mantida comissão técnica e boa parte do elenco atuante no Estadual, os números do alvinegro no segundo semestre são, no mínimo, tímidos. A campanha na Série D do Campeonato Brasileiro não deslanchou, em três jogos, se resumiu a apenas um gol e um ponto, além de duas derrotas, uma delas em casa (sendo que das 14 vezes que jogou no Germano Krüger perdeu quase a metade, seis, ao todo).

Incluindo os três amistosos que fez em Vila Oficinas, contra equipes de divisões inferiores de Santa Catarina e Paraná (XV de Indaial e Juventus de Jaraguá do Sul, 2ª divisão catarinense, e Cambé, 3ª divisão paranaense), o Operário sofreu oito gols no segundo semestre, em seis jogos disputados, o que representa uma média de 1,3 gols sofridos por partida. O ataque não foi dos mais produtivos, sete gols, sendo que quase a metade deles foi marcada no amistoso com o Juventus, em que o alvinegro venceu por 3 a 2. O aproveitamento alvinegro dos pontos disputados desde junho – ainda incluindo os amistosos – é reduzido também, 38,8%.

A lanterna do grupo A7, a cinco pontos do segundo lugar da chave, a situação do Operário na Série D representa o mau momento que o clube de Vila Oficinas atravessa após junho. Mal na tabela, o alvinegro precisa de uma vitória no domingo, contra o Oeste, em casa, para seguir vivo na competição nacional.

Reforço
Em busca de amenizar a atual má fase do Operário, o clube anunciou ontem a chegada de um reforço. Marcelinho Henrique, com passagem pelo Botafogo, Paraná Clube e por último Campinense, chega à Vila Oficinas com a missão de melhorar a produção ofensiva da equipe, que por sinal, deve perder Mateus para os próximos jogos. O jogador se machucou na derrota para o Cambé no último sábado e deve ser desfalque no domingo.

Por Jeferson Augusto (Diário dos Campos – 10/8/2011).

Os comentários estão encerrados.