Vencer a segunda partida seguida hoje, pode significar para o Operário, além do primeiro triunfo em casa no Paranaense deste ano, um embalo para o alvinegro no meio de semana.

Um triunfo sobre o Arapongas no Germano Krüger hoje à tarde pode render ânimo extra para outro jogo diante de seu torcedor, na quarta-feira, quando encara o Atlético-PR também em Vila Oficinas. A sequência positiva de resultados é vislumbrada após os primeiros pontos somados – fora de casa, diante o Cascavel – no campeonato. “Depois da vitória no meio de semana deu mais confiança para gente, e domingo (hoje) esperamos fazer um bom jogo porque se vencermos vamos embalado para outro jogo muito importante aqui”, diz Gilson.

Foto: Cambará, autor do único gol do Operário no Estadual, é peça essencial no esquema tático de Amilton Oliveira

Cambará, autor do único gol do Operário no Estadual, é peça essencial no esquema tático de Amilton Oliveira

Já Amilton Oliveira é mais pragmático e prefere analisar primeiro o compromisso de hoje, e admite que a sequência de jogos pode ter consequências distintas no elenco. “Cada jogo de cada vez. Esse campeonato com jogo domingo e quarta-feira tem dois aspectos, que se você perde já tem um jogo logo em seguida para se recuperar, e se perde, se transforma em uma semana terrível. Mas ao mesmo tempo, um série de dois bons resultados pode ter dar uma tranquilidade aparente. E a gente sabe que a equipe ainda não está dentro daquilo que se espera”, pondera o técnico.

Para o duelo de hoje, o treinador espera um adversário mais recuado, e por conta disso, planeja um Operário mais veloz, e sobretudo com mais posse de bola. Peça essencial neste sistema, ainda o 4-4-2 usado na vitória sobre o Cascavel, o volante Cambará deverá ser mais assíduo no ataque. Autor do gol – o primeiro que marcou com a camisa do time ponta-grossense – no meio de semana, o volante deve contribuir na transição do meio ao ataque do Operário. “Contra o Cascavel eu mudei um pouco a forma de atuar, com o time no 4-4-2 mais tradicional, mas não foge muito das minha características, que é de marcação e ajudar na saída de bola”, revela o camisa 7.

Oliveira ressalta a importância dos volantes no esquema tático desenvolvido por ele, que conta com três volantes, dois deles saindo para o jogo. “O Cambará tem muita qualidade, é um volante moderno, assim como Paulista, que também chega na área. Gosto de um meio campo multifuncional, versátil. E em uma equipe moderna a chegada dos volantes é essencial”, analisa.

Torcida revê herói e vilão
O confronto entre Operário e Arapongas hoje a tarde também marca o reencontro de um nome que passou de herói a vilão em pouco tempo em Vila Oficinas. Danilo, goleiro titular da equipe do norte, teve trajetória singular no time ponta-grossense.

O goleiro chegou ao alvinegro em 2009, para a disputa da Divisão de Acesso daquele ano e acabou sendo um dos heróis do vice-campeonato do Operário. Alçado a ídolo, o goleiro viu sua carreira no clube ponta-grossense virar um martírio no ano seguinte.

Nas primeiras partidas do Estadual do ano passado Danilo falhou em uma sequência de jogos, que culminou em sua saída do clube. O Operário ainda viu seu reserva Filipe – hoje no banco de reservas alvinegro, de novo – assumir a meta, falhar em um gol contra o Cascavel na segunda fase, e em seguida se contundir. Sobrou, na época, para o veterano Osmar – terceiro goleiro hoje – assumir a titularidade.

Danilo, após deixar o Operário, foi levado ao Arapongas por Claudemir Sturion – mesmo treinador que o trouxe para Ponta Grossa – e, assim como em 2009, foi um dos destaques da Divisão de Acesso no ano passado.

Escalação - Operário x  Arapongas - 23/01/2011

Por Jeferson Augusto (Diário dos Campos – 23/1/2011).

Os comentários estão encerrados.