Operário encerra temporada hoje, contra o Mirassol, em casa, sem chances de classificação e encerrando uma frustrada campanha na Série D do Campeonato Brasileiro

A temporada do Operário chega ao fim hoje, de forma prematura. Sem chances de se classificar para as oitavas de final, o alvinegro encerra sua participação na Série D do Campeonato Brasileiro diante o Mirassol, às 16 horas, no Germano Krüger.

Já eliminado da quarta divisão nacional, o Operário chega ao fim de uma temporada que pode ser resumida em altos e baixos. Do alto da boa campanha no meio do Campeonato Paranaense, para a irregularidade no final da mesma competição, para encerrar o Estadual no topo, com um inédito – em mais de duas décadas – terceiro lugar e a queda livre na Série D nacional, com uma fraca campanha.

Serginho Paulista admite instabilidade do Operário ao longo da temporada - Foto: Josué Teixeira

Serginho Paulista admite instabilidade do Operário ao longo da temporada
Foto: Josué Teixeira

Até mesmo dentro da própria caminhada na quarta divisão o alvinegro teve oscilações. De um começou ruim, o time chegou a ensaiar uma reação vencendo dois jogos seguidos, para enfim ver as chances de classificação para as oitava serem pulverizadas com a derrota para o Cene.

Um dos poucos integrantes do atual elenco desde a pré-temporada até o fim da participação do Operário neste ano, Serginho Paulista reconhece a instabilidade ao longo do ano. “A gente fez um excelente Paranaense, conseguindo coisas que há muito tempo o clube não via, e infelizmente não deu certo na Série D, mas são coisas que acontecem no futebol. Agora é seguir em frente e aprender com os erros”, resignou-se.

Na Série D, o volante acredita que o time ‘encaixou’ tarde demais. “O time não encaixou no primeiro turno, e infelizmente só foi se acertar nos últimos jogos, e o curioso é que eram os mesmos jogadores, mas infelizmente foi tarde demais”, analisou.

Sobre a despedia do Operário, sem chances de classificação, muito possivelmente com um dos menores públicos de tempos recentes, o volante admite, é difícil encontrar motivação, mas fala em ‘honra’, para tentar ao menos amenizar a má campanha na Série D. “Temos contrato com o clube, e acima de tudo temos um nome para honrar. Vamos para esse com a objetivo de pelo menos terminar bem esse segundo turno”.

Por Jeferson Augusto (Diário dos Campos – 18/9/2011).

Uma resposta a Diário dos Campos: Despedida melancólica