As primeiras vaias de 2011 no Germano Krü­ger foram presenciadas pelo Ope­­rário no último domingo, após a derrota por a 1 a 0 para o Arapongas. Se no revés de estreia, diante o Coritiba, a torcida poupou elenco e comissão técni­ca das críticas, no segundo fra­­casso em casa os alvi­ne­gros não perdoaram a equipe que segue instável no Cam­­peo­na­to Paranaense (cam­panha de duas derrotas, uma vitória, dois gols so­fri­dos e um mar­cado).

Vaias e muitos protestos durante e após a segunda derrota em Ponta Grossa vieram das arquibancadas do Germano Krüger, e se no início do Estadual o discurso adotado era de recuperação, de não se abalar com o revés, o tom após o tropeço diante o Arapongas era outro.

Foto: MAIS UMA Operário voltou a falhar diante de seu torcedor no Campeonato Paranaense

MAIS UMA Operário voltou a falhar diante de seu torcedor no Campeonato Paranaense

Amilton Oliveira admitiu os problemas da equipe, chegou a admitir que coloca seu cargo a disposição da diretoria, mas negou ‘jogar a toalha’, e sobretudo poupou seus comandados das críticas vindas da torcida. “Agora é trabalhar a estima dos jogadores, que potencial eles têm. O principal culpado sou eu, sou eu quem escala, e não tem tempo para ‘chororô’”, afirmou o treinador na entrevista coletiva após a derrota do último domingo.

Amilton sabe que terá pouco tempo para elenco e comissão técnica assimilarem mais um fracasso diante do torcedor, já que amanhã o time volta ao estádio, para enfrentar o Atlético-PR, às 22 horas. Uma nova derrota consolida a má fase do Operário no Paranaense, e pode tornar a situação do treinador insustentável. A necessidade de um vitória faz com que o treinador admita que irá colocar sua equipe mais adiantada no jogo de amanhã. “Agora não resta opção senão ir para cima do Atlético-PR, é vencer ou vencer”, disse.

Amilton ainda depende do departamento médico para definir os titulares do duelo contra o Atlético-PR. Rilber e Hevandro, que se machucaram durante um treino físico na véspera do confronto com o Arapongas, ainda são dúvidas. Zé Leandro, expulso no domingo, é desfalque certo, enquanto que o atacante Mateus segue com sua situação indefinida, já que até hoje não teve seu nome publicado no BID. De certeza, é o retorno do zagueiro Valtinho, que retorna – possivelmente no lugar de Vinícius – após cumprir suspensão.

Próximo rival oscila
Próximo adversário do Ope­­rário no Campeonato Pa­ra­­na­ense, o Atlético-PR ocupa a terceira posição na tabela do Estadual. Se o rubro-negro vem a Ponta Grossa motivado por duas vitó­rias se­guidas, há lado ruim de seu retrospecto de que até agora não ter engrenado na compe­tição.

O Atlético-PR teve sua defesa vazada em todos os jogos, e mesmo que após a estreia com derrota em casa para o Arapongas, o time de Sérgio Soares começou perdendo as outras duas partidas, conseguindo a vitória com gols marcados no segundo tempo. Contra Corinthians-PR e no último sábado diante o Ira­ty, o Atlético-PR começou per­dendo, obtendo a virada somente na etapa complementar.

Se não tem sido convincente ao seu torcedor, pelo menos o Atlético-PR vê seus reforços para esta temporada engrenarem em campo. No sábado, Lucas, ídolo da década passada e repatriado, marcou duas vezes. Antes, contra o Corinthians-PR, Madson havia deixado o seu na virada no Eco Estádio.

Por Jeferson Augusto (Diário dos Campos – 25/1/2011).

Os comentários estão encerrados.