Gestores e advogado ainda esperam posicionamento da Federação Paranaense de Futebol para escalar atletas

A polêmica do regulamento e de suas várias interpretações segue prejudicando o Operário Ferroviário na reta final do Campeonato Paranaense. Agora, depois da polêmica com o meia Davi Ceará, os zagueiros Leonardo e João Renato também entram na análise do departamento jurídico antes da confirmação entre os atletas que encaram amanhã o Cascavel, no Estádio Germano Krüger.

Como nem a Federação Paranaense de Futebol sabe realmente o que pode acontecer no caso do jogo suspenso – como quem pode jogar e como fica a situação dos atletas suspensos naquele jogo ou antes (e até mesmo depois) do término da partida entre Operário e Cascavel -, a direção do clube ponta-grossense optou pela cautela para evitar prejuízos maiores. Isso porque qualquer que seja a escalação dos atletas, – como é o caso de Ceará – que levou o cartão amarelo contra o Cascavel – o seu terceiro – e nem no mesmo jogo deverá voltar por conta de falhas no regulamento geral de competições, a polêmica abre margem para disputas judiciais. O problema é que até agora o regulamento dá a entender que o jogador fica suspenso da mesma partida que estava atuando, ainda que tenha levado apenas um amarelo. Assim, Ceará será penalizado de maneira bastante severa e teoricamente cumpre suspensão por três jogos – contra Iraty, Cascavel e depois ainda Corinthians Paranaense, no dia 4 de abril.

Mas os problemas não param por aí. Leonardo, que atuou contra o Cascavel durante os 31 minutos que a bola rolou – inclusive fazendo um gol de cabeça – levou o amarelo e na sequência recebeu o vermelho contra o Iraty. Como a partida aconteceu antes do desfecho do confronto suspenso, as dúvidas do regulamento voltam à tona para saber se ele poderia ou não atuar. O grupo gestor confirmou sua presença e ele vai cumprir a suspensão apenas no jogo contra o Corinthians Paranaense.

João Renato também poderia ficar de fora. O atleta tomou o seu segundo cartão amarelo no domingo, mas uma confusão na súmula em jogo anterior fez com que um cartão levado por ele fosse indicado para Leonardo – o que seria o seu terceiro amarelo.

“O João tem apenas dois amarelos nos registros e o Leonardo cumpre depois. O nosso problema maior é com o Ceará, que a Federação não nos respondeu ainda o que pode ou não ser feito, já que em documento encaminhado disse apenas que ele deveria cumprir a suspensão contra o Iraty. Nós vamos fazer plantão amanhã [hoje] na Federação para ter um documento e saber se ele poderá ou não jogar contra o Cascavel. A lógica seria ele jogar, porque também não poderia ser substituído caso tivesse irregular – com o Operário tendo de começar a partida com 10 atletas neste caso”, analisa o gestor Dorli Michels.

De acordo com o advogado Domingos Moro, que representa o Operário, a sua orientação foi do clube não se arriscar e evitar a utilização dos atletas para não ter de enfrentar futuras batalhas jurídicas. Tudo isso por conta da possibilidade de perda de seis pontos em caso de inscrição irregular de atleta e principalmente pela disputa entre os clubes do interior por uma das vagas na Série D do Campeonato Brasileiro.

Em entrevista ontem no programa Repórter Cidade, da Rádio Sant’Ana, o advogado analisou os três casos envolvendo os jogadores e com toda essa confusão de informações, ressaltou que o mais prudente será mesmo não escalar Leonardo – expulso contra o Iraty – e o meia Davi Ceará. Porém, a posição final do clube só terá tomada hoje após os pareceres oficiais por parte da Federação Paranaense de Futebol.
Já para completar a série de desfalques, o lateral esquerdo Gilson torceu o tornozelo contra o Iraty e virou dúvida para o duelo de amanhã. O time que vai a campo será definido pelo técnico Caçapa em treinamento coletivo na tarde de hoje – em local ainda a ser confirmado.

Ingressos serão trocados a partir de hoje
Quem tiver os ingressos da partida interrompida da última quarta-feira, entre Operário e Cascavel, pode trocá-los a partir das 10 horas de hoje. Os ingressos só serão trocados na bilheteria do Estádio Germano Kruger até às 18 horas de quarta-feira. Os valores para os que quiserem comprar serão vendidos a R$ 50 (cobertas), R$ 25 (meia coberta), R$ 20 (geral) e R$ 10 (meia entrada). Segundo a assessoria de imprensa, as entradas também serão comercializadas no quiosque do Operário, no Shopping Palladium. A continuação do jogo está marcada para dia 31, às 19h30.

Por Alexandre Costa (JMNews – 30/03/2010).

Os comentários estão encerrados.