Coube ao empresário Mar­­cos Zampieri o papel inédito em muitos anos de candidato da oposição nas eleições presidenciais do Operário Ferroviário. Ele con­corre com Carlos Roberto Iurk, atual mandatário do clu­be e que busca seu terceiro mandato consecutivo no clu­be ponta-grossense.

Prestes a completar cem anos de existência, o Operário possui um quadro de aproximadamente 600 sócios, sendo que cerca de 450 teriam condições de voto. A participação inicialmente projetada na casa dos 200 votos, pode crescer, justamente pelo fato de haverem duas chapas.

Foto: LUCROS Entre as propostas de Zampieri está a promessa de uma gestão empresarial no Operário, gerando lucros ao clube

LUCROS Entre as propostas de Zampieri está a promessa de uma gestão empresarial no Operário, gerando lucros ao clube

Além do ineditismo de um bate-chapa, a eleição que acontece no próximo dia 11 de dezembro tem um caráter simbólico dentro da história do clube. O presidente eleito em Vila Oficinas terá mandato de dois anos e consequentemente, estará à frente do Operário em 2012, quando o clube completará cem anos de existência.

Como no domingo anterior o Diário dos Cam­pos ouviu as propostas de Car­los Roberto Iurk, hoje é a vez de dar o mesmo espa­ço ao candidato Marcos Zampieri.

Gestão empresarial
Empresário atuante em diversos segmentos, Marcos Zampieri também já foi vereador e candidato a deputado estadual nas últimas eleições. Pela primeira vez concorre a um cargo no principal clube da cidade, e caso seja necessário, frisa, garante ter aparato jurídico que banque sua candidatura.

É justamente baseada na sua experiência profissional que Zampieri apresenta suas propostas. Proprietário de várias empresas que atuam em todo o estado e com mais de três mil funcionários, Zampeiri promete gerir ‘profissionalmente’ o Operário, gerando lucro, inclusive. “A meta é administrar o Operário como uma empresa, de forma profissional. Até hoje o clube foi gerido de forma amadora, e como um time de massa que é, deve ser gerido profissionalmente e gerar lucros”, propõe.

Sócio há três anos do clube (“tentei durante muitos anos me tornar sócio e não me deixavam”, justifica-se), Zampeiri lembra um histórico bem maior com o clube. Lembra que é acostumado a torcer pelo time há muitos anos, influenciado pelo pai, e posteriormente ajudando clube através de sua empresa. “É uma paixão que vem desde garoto, do meu pai, sempre acompanhei o time, tanto aqui como em viagens para outras cidades, e mais tarde, sempre que me procuraram, ajudei o Operário, sem pensar no retorno. Agora, acredito que chegou o meu momento de contribuir”.

Zampieri, inclusive, reconhece o trabalho de seu concorrente, mas defende uma alternância de poder. “O Iurk fez um grande trabalho, depois de cair com o time, recolocou onde ele deveria estar, que é na primeira divisão, mas acredito que outros também devem ter oportunidade, e que vença o melhor”.

As propostas de Zampieri
Para o clube
Construção de um ginásio
Campanha para atrair a família para o clube
‘Descentralização’ da diretoria
Construção de um espaço para eventos sociais
Para o futebol profissional
Gestão empresarial, com a promessa de gerar lucros com o time
Criação de um marketing forte

Para o estádio
Reforma ampla no Germano Krüger
Tentar transformá-lo em sub-sede da copa do Mundo de 2014
Busca de apoio político para realização destes projetos
Se necessário, parcerias com a iniciativa privada para realização das obras
Sobre a atual parceria
Revisão do atual contrato
Grandes probabilidades de rescisão, sem ônus para o clube

Por Jeferson Augusto (Diário dos Campos – 28/11/2010).

Os comentários estão encerrados.