Alvinegro não marcou nos dois amistosos que fez antes da estreia na Série D e confirma preocupação do técnico

Na véspera do amistoso contra o Iraty, o técnico do Operário, Caçapa, já adiantava sua insatisfação como ataque do time alvinegro neste segundo semestre. Na opinião do treinador, o poderio ofensivo do elenco ponta-grossense ainda precisava se acertar. “Falta a bola chegar lá na frente”, dizia.

E a julgar pela preparação que a equipe fez para a disputa da Série D, o setor ofensivo deve – conforme prometeu o treinador ainda na semana passada – ser o principal alvo dos trabalhos antes da estreia no domingo, contra o São José, em Porto Alegre.

Foto: SEM GOLS Operário ficou no empate com o Iraty no último sábado e mais uma vez não balançou as redes

O Operário entra na última semana antes de seu retorno a uma competição nacional vendo seu ataque produzir pouco. Descontados os jogos-treinos, o alvinegro não marcou nenhum gol nos amistosos que fez antes da estreia na competição nacional. No primeiro deles, contra o Paraná Clube, foi derrotado por 2 a 0, e no compromisso mais recente, no último sábado, mais uma vez, ficou sem balançar as redes.

Jogando no Germano Krüger diante outra equipe que disputará a Série D do Campeonato Brasileiro, o Operário não conseguiu sair do empate sem gols contra o Iraty. Em uma partida com poucas oportunidades, o técnico optou por testar uma formação diferente, ao invés do 4-3-1-2, com Danielzinho fazendo a função de ligar o meio com o ataque, Caçapa preferiu testar alguns jogadores, como o goleiro Ivan, Romerito na ala direita e um meio campo com Rilber sendo o meia de ligação, com Danielzinho e Edenílson formando a dupla de ataque. Mesmo com as alterações, o Operário fechou sua pré-temporada sem marcar. Nos próximos dias a meta do treinador do Operário é intensificar os trabalhos táticos, e assim sanar a deficiência ofensiva que sua equipe apresentou até agora.

Outro aspecto negativo foram os pequenos públicos registrados nos dois jogos de preparação do Operário. Em horários incomuns, 19h30 também de um sábado, contra o Paraná, e 18h30 contra o Iraty, os dois jogos conseguiram levar pouco mais de 900 pessoas para Vila Oficinas. Se no confronto com o time da capital cerca de 600 pessoas compareceram ao estádio ponta-grossense, no duelo contra o Iraty o público não chegou aos 400 expectadores. A chance do público retornar em grande número à Vila Oficinas será no dia 25, quando o Operário recebe o Joinville, pela segunda rodada da Série D.

Por Jeferson Augusto (DCMais – 13/07/2010).

Os comentários estão encerrados.