Oficialmente, o Operário não tem um treinador. A direção do clube admitiu o rompimento com Pedro Caçapa e está à procura de um treinador para comandar a equipe no ano que vem no Campeonato Paranaense.

Da comissão técnica que atuou na Série D do Campeonato Brasileiro deste ano, apenas o preparado físico Gamarra seguirá no ano que vem. O critério adotado para a composição do corpo técnico alvinegro de 2011 obedecerá as limitações orçamentárias, já adianta Dorli Michels, gerente do clube ponta-grossense. “Vamos definir primeiramente o orçamento e aí contratar técnico, preparador de goleiros. Ainda não sabemos ao certo o quanto teremos para o ano que vem, então não adianta definir alguém se não sabemos o quanto pode gastar. O mesmo vale para os jogadores. Vamos definir o planejamento e na outra semana sentar para negociar”.

Dos nomes inicialmente cotados para assumir o posto deixado por Caçapa, Carlos Nunes e Gilberto Pereira, ainda são especulações longe de terem seus nomes confirmados em Vila Oficinas. O segundo por conta de seu vínculo com o grupo do empresário Sérgio Malucelli, administrativo do Iraty e que ensaia uma mudança para Londrina, e o primeiro, descartado pelo próprio técnico. “Meu histórico no Operário ficou no meio do caminho e é claro que gostaria de voltar e é uma honra ser lembrado, mas não acredito nisso. Tenho contato com o Dorli e o Tico e jamais conversamos sobre isso”, garante o treinador.

Foto: ESPECULAÇÃO Especulado como possível treinador do Operário em 2011, Nunes acha pouco provável retorno ao clube ponta-grossense

ESPECULAÇÃO Especulado como possível treinador do Operário em 2011, Nunes acha pouco provável retorno ao clube ponta-grossense

Nunes foi treinador do Operário na Divisão de Acesso de 2007, saindo após poucos jogos. No Serrano, o treinador conduziu a equipe de Prudentópolis da Terceira Divisão à Série A Este ano, após sair do Serrano durante o Paranaense, competição onde o time da cidade vizinha acabou caindo, Nunes assumiu o Foz do Iguaçu onde quase obteve um novo acesso, perdendo a vaga na última rodada. A cidade da tríplice fronteira, inclusive, pode continuar sendo a casa do treinador no ano que vem. “Fiz um trabalho coerente e honesto, por conta disso a direção do Foz já manifestou interesse na minha permanência. Mas ano que vem é outra história”.

O Operário inicia sua pré-temporada no dia 6 de dezembro, com a apresentação oficial de equipe e comissão técnica ocorrendo cinco dias antes. A preparação para o Paranaense, que começa no dia 23 de janeiro, será nos mesmo moldes da que foi realizada este ano em uma cidade vizinha a Ponta Grossa. Para 2011, a pré-temporada será em Reserva. “É uma cidade que oferece uma boa estrutura, com hotel, um bom estádio”, diz Dorli.

Por Jeferson Augusto (DCMais – 4/11/2010).

Os comentários estão encerrados.