Treinador que esteve à frente da arrancada que tirou o Operário de um virtual rebaixamento a um quase acesso em uma competição nacional, Pedro Caçapa terá seu futuro em Vila Oficinas definido nas próximas horas.

A diretoria do clube pretende até segunda-feira se reunir com a comissão técnica alvinegra e negociar sua permanência para o ano que vem. Adotada como praxe nos últimos meses a opção dos dirigentes é confirmar o comando alvinegro no ano que vem apenas quando findarem as negociações. “Vamos sentar para negociar, e possivelmente no fim de semana teremos uma definição”, afirmou Dorli Michels, reticente em garantir o treinador à frente do clube no ano que vem. Caçapa chegou à Vila Oficinas como preparador de goleiros, ainda no ano passado, e com as quedas de Claudemir Sturion e Norberto Lemos foi ‘promovido’, chegando a técnico e conseguindo livrar o clube do rebaixamento, levando até a quinta posição no Paranaense. O gestor de futebol ainda afirma que nos próximos dias também deve anunciar um preparador de goleiros.

Foto: INCERTEZA Após assumir como interino e levar o Operário à Série D do Brasileiro, Caçapa ainda não tem permanência assegurada no alvinegro no ano que vem

INCERTEZA Após assumir como interino e levar o Operário à Série D do Brasileiro, Caçapa ainda não tem permanência assegurada no alvinegro no ano que vem

O planejamento para o ano que vem também vem sendo feito ‘em várias frentes’. Os dirigentes negociam a realização da pré-temporada na cidade de Reserva, já que Tibagi, cidade que recebeu a pré-temporada para o Paranaense de 2010, foi descartada por conta das reformas no estádio da cidade. A data de início da pré-temporada segue mantida para o dia 1º de dezembro.

Do elenco que atuou na Série D deste ano, o Operário tem, de acordo com a listagem fornecida pelo BID acumulado da CBF, 15 jogadores com contratos vigentes até maio, ou, em alguns casos, dezembro de 2011. A diretoria ainda estuda negociar a renovação de outros jogadores, entretanto, o dirigente alvinegro afirma que a prioridade para a definição da comissão técnica. “É claro que temos uma espinha dorsal mantida, mas em seguida vamos definir as demais questões”, diz Dorli.

Pelo BID acumulado, dos jogadores que atuaram em Vila Oficinas no Brasileiro neste segundo semestre mas que não tem contratos que os garantem no estadual estão os atacantes Edenílson, Baiano e Ícaro, o meia Edson Grilo, o lateral Rogerinho, todos, com seus vínculos se encerrando no fim do ano.

Por Jeferson Augusto (DCMais – 30/10/2010).

Os comentários estão encerrados.