Alvinegro conta com apoio da torcida e produtividade do ataque para vencer pela segunda vez na Série D; mais de oito mil ingressos devem ser postos a venda a partir de amanhã

O domingo é visto em Vila Oficinas como o dia em que as coisas finalmente se acertam. O segundo jogo diante de sua torcida é fundamental para as pretensões alvinegras na Série D do Campeonato Brasileiro.

Somente uma vitória sobre o Oeste interessa ao clube ponta-grossense, caso ele queira pensar em classificação. Para isso, o clube conta com seu ataque finalmente deslanchando e a torcida comparecendo em grande número ao estádio.

Até o momento, nem torcida, nem os gol aparecem com bons números na campanha alvinegra. Na primeira partida que fez no Germano Krüger, o público de 2700 pessoas ficou abaixo do esperado, já que foram colocados mais de oito mil ingressos a venda. Se o público alvinegro até agora é pequeno, a produção ofensiva é ainda pior.

Foto: MEXE Caçapa pode mexer na equipe para confronto contra o Oeste, no Germano Krüger

O Operário marcou apenas um gol, por Edenílson contra o Joinville, justamente quando atuou em casa, e tem um dos ataques menos produtivos da quarta divisão nacional. O número de gols, inclusive, faz com que o alvinegro fique na lanterna do equilibrado grupo A9. Por ter balançado as redes uma única vez, o Operário é superado na tabela por Joinville (três gols) e São José e Oeste (dois gols).

E por falta de mudanças é que o ataque do Operário não pode justificar pela pouca eficiência. Nos três jogos feitos até agora, Caçapa mexeu todas as vezes. Na estreia, contra o São José Eduardo Rato e Edenílson formaram dupla, que não agradou ao técnico e na vitória sobre o Joinville o autor do único gol alvinegro ficou isolado na frente, em um esquema que privilegiou o meio de campo. Já no empate com o Oeste Caçapa foi forçado a mexer mais uma vez. Sem Rilber, lesionado, o treinador voltou a usar dois atacantes. Desta vez a dupla testada foi Tardeli e Edenílson. Para o jogo de domingo Caçapa ainda estuda mexer na equipe. Certa é a ausência de Gilson, lesionado no ombro e que pode ficar fora do restante da competição.

Os ingressos para o confronto contra o Oeste devem ser colocados à venda a partir de amanhã, com os mesmos valores (R$20 e R$ 50, com meia entrada) e a mesma carga de 8600 bilhetes.

A CBF divulgou a escala de árbitros, da quarta rodada da Série D. Leonardo Garcia Cavaleiro apita o confronto no Germano Krüger, sendo auxiliado por Eduardo de Souza Couto e Gilberto Stina Pereria, todos do Rio de Janeiro.

Por Jeferson Augusto (DCMais – 4/08/2010).

Os comentários estão encerrados.