Em uma semana o alvinegro volta a competir por um campeonato nacional; técnico quer aprimorar ataque para estreia fora de casa no Rio Grande do sul

A semana que inicia promete ser longa para o torcedor do Operário. Dentro de sete dias a equipe ponta-grossense volta atuar por uma competição oficial. Mais do que dar fim a um jejum de quase três meses sem campeonato, no próximo fim de semana o Operário volta a atuar em uma competição nacional depois de longos 15 anos. No próximo domingo o time de Vila Oficinas encara o São José, no Estádio Passos d?Areia, em Porto Alegre, pela primeira rodada da quarta divisão nacional.

Foto: BASE MANTIDA Gilson foi um dos jogadores que defenderam o Operário no Estadual e que foram mantidos para o Brasileiro

Os próximos dias em Vila Oficinas serão dedicado a aprimorar o time para o retorno ao Campeonato Brasileiro. A aposta da diretoria alvinegra foi manter boa parte do grupo que ficou com a quinta colocação no Campeonato Paranaense, incluindo o técnico Caçapa.

O treinador acredita que conseguiu imprimir sua imagem no elenco atual, sobretudo a ?pegada?, constantemente citada por ele. “Acho que consegui impor meu estilo, que é ter um time que marca muito, que pega bastante no meio de campo, mas que também tem o toque de bola”, analisa.

Da equipe que comandou na reta final do Estadual, Caçapa manteve basicamente a defesa. Na visão do treinador, trata-se de uma nova equipe. “É um outro time. No Paranaense era uma equipe já vinha de antes (Caçapa assumiu o comando da equipe no meio do campeonato, após a saída de Norberto Lemos), agora é uma nova equipe”, acredita.

Para o técnico, o meio de campo é o setor que mais caracteriza essa mudança. As chegadas de Diego Zanuto e Cambará, em sua opinião, vem para substituir Serginho Paulista e Serginho Catarinense, dois jogadores bastante elogiados no Estadual. A busca agora é para aprimorar o setor ofensivo da equipe. “Ali atrás (na defesa) mantivemos o Rodrigo e Leonardo, que conhecemos a qualidade, e mais para frente chamamos o Cambará e o Zanuto para dar qualidade ao meio, já que perdemos os dois ?Serginhos”, diz.

“Acho que falta a ligação do meio ao ataque. Temos que fazer a bola chegar na frente, com qualidade. Temos bons atacantes, mas temos que fazer com que os meias funcionem direito”, acredita. Por conta disso, a última semana que se inicia servirá para fazer os últimos ajustes no elenco. “Essa semana vamos treinar em dois períodos, pela manha trabalhar o físico e tarde só com bola, ver toda essa questão tática e técnica, trabalhar a finalização, para que no domingo estejamos prontos”.

Por Jeferson Augusto (DCMais – 11/07/2010).

Os comentários estão encerrados.