O treinador Márcio Máximo admitiu na tarde de hoje que negociou com o Operário Ferroviário. De acordo com o técnico, as conversas com o clube ponta-grossense foram interrompidas, mas admite que ‘ainda não foram cessadas’.

“Estive em negociação com o clube e ainda estão se desenvolvendo. Me parece que ainda há outros nomes sendo analisados e estariam decidindo o que seria melhor para o clube”, disse o treinador.

Máximo, inclusive, já teria acompanhado o Operário quando o alvinegro esteve no Rio de Janeiro, enfrentando o Madureira, pelas quartas de final da Série D do Campeonato Brasileiro.

Embora tenha feito questão de mencionar que não tenha sido oficializado como treinador, Máximo teceu elogios ao clube e sua direção. “Vi o jogo aqui (no Rio de Janeiro) contra o Madureira, acho que tem uma estrutura necessária, com pessoas sérias gerindo o futebol. Independente de eu vir ou não a trabalhar no Operário, fico orgulhoso de ter sido mencionado”.

Máximo esteve à frente das seleções da Tanzânia (África), Qatar (Oriente Médio) e Ilhas Cayman (Caribe), além de ter em seu currículo trabalhos à frente de equipes de base do futebol carioca, além das seleções brasileiras sub-17 e sub-20.

Ainda na tarde de hoje, o empresário do ex-jogador Wilson Gottardo, Fabiano Farah, informou ao site ‘Net Esporte Clube’, que não houve qualquer contato com a diretoria do Operário para o ex-jogador do Cruzeiro vir treinar o time ponta-grossense.

Outro nome ventilado como possível técnico no Paranaense do ano que vem seria Rogério Lourenço, ex-Flamengo.

Por Jeferson Augusto (DCMais – 18/11/2010).

Os comentários estão encerrados.