Após participar em competição nacional pela última vez em 1993, alvinegro estreia hoje na Série D do Campeonato Brasileiro, em Porto Alegre, contra o São José

Pouco antes das 15h30 de hoje, quando adentrarem no gramado do estádio Passo D?Areia, na zona norte de Porto Alegre, os jogadores do Operário Ferroviário estarão protagonizando o retorno do clube ponta-grossense a uma competição nacional, fato que não ocorria desde 1993, quando clube disputou o torneio seletivo da Série C do Campeonato Brasileiro.

O Operário estreia hoje, na Série D nacional, maior divisão do Campeonato Brasileiro, com quarenta equipes buscando quatro vagas na terceira divisão. O primeiro adversário do clube de Vila Oficinas será o São José, equipe porto-alegrense, também conhecida como ?Zequinha? e que foi um das surpresas do estadual deste ano.

Foto: JUNTO De Lazzari defendeu o Operário na segunda divisão estadual e hoje atua pelo clube no Campeonato Brasileiro

Para o Operário, o retorno ao Campeonato Brasileiro acontece graças ao quinto lugar no Paranaense deste ano, em uma campanha de altos e baixos, um ano após o time alvinegro dar fim a mais de 15 anos na segunda divisão.

O zagueiro Rodrigo De Lazzari foi um dos jogadores que defendeu o Operário quando a equipe ainda penava na ?Segundona? estadual (em 2005), e hoje defende o clube em uma situação mais confortável. “A expectativa para o retorno (do Operário a uma competição nacional) é grande, a gente que já atuou na Divisão de Acesso hoje disputa um brasileiro. Tivemos uma preparação de quase quarenta dias e agora chegou o momento”, disse.

Para a partida contra o São José, Caçapa deve levar uma equipe atuando no 4-2-1-1-2, com a linha defensiva formada por Cassiano, Leonardo, De Lazzari e Gilson. No meio de campo, após muitos testes, o treinador optou por formar uma dupla de volantes – Diego Zanuto e Cambará – e dois meias, Rilber e Danielzinho, este último atuando mais próximo da dupla de ataque, formada por Eduardo Rato e Edenílson. No gol, Caçapa deve prorrogar a dúvida entre Ivan e Osmar até o último minuto antes da partida de hoje.

Na opinião do treinador do time ponta-grossense, a diferença entre o elenco do Paranaense e o atual são possibilidades oferecidas pelo banco de reservas. “No Paranaense não tinha muita opção, hoje a gente o Zé Leandro, o Tardeli, o Thiago, que podem entrar dependendo da situação da partida”, analisa.

Por Jeferson Augusto (DCMais – 17/07/2010).

Os comentários estão encerrados.